PATROCINADORES

Especialista diz que petróleo não deve voltar para a faixa de US$ 60 como estava antes

Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), repercute o tombo na cotação do petróleo que provocou pânico no mercado financeiro nesta segunda-feira (9). Um dos principais especialistas do país na área energética, Pires fala dos impactos para a economia brasileira. Confira:

Por que houve uma queda tão brusca na cotação do petróleo?

Desde o ano passado já tinha uma desaceleração da economia que refletia no preço do barril. O petróleo é o primeiro que reage em situações assim, tanto para cima quanto para baixo. Veio então o coronavírus que acelerou a queda da economia mundial e reduziu ainda mais a demanda, pressionando novamente os preços. A Opep (Organização dos Países Exportadores do Petróleo), liderada pela Arábia Saudita, contava com ajuda da Rússia para dar um corte na produção e segurar cotação. O que não ocorreu. Sem acordo, houve a decisão unilateral da Arábia no domingo (8) de aumentar a produção e reduzir o preço. Foi uma medida tomada mais com o fígado do que com o cérebro.

Por quê?

Todo mundo sai perdendo. O petróleo na faixa de US$ 35 é fantasioso. O preço em torno de US$ 45 reflete mais o cenário com os impactos do coronavírus. Acho que a cotação não retorna muito cedo para a faixa de US$ 60, como estava antes. Vai precisar do mundo retomar o crescimento econômico. Então acho que todo primeiro semestre vai ficar comprometido. Os países vão ter que rever os planos de crescimento e observar qual vai ser o patamar de preço que vai ficar.

Quais são os impactos específicos para o Brasil?

Há um efeito generalizado. Hoje já vimos que as ações da Petrobras derreteram. A balança comercial vai cair. O preço da gasolina menor nas bombas diminui a arrecadação do ICMS e prejudica a receita dos estados. A arrecadação com royalties também fica comprometida. Prejudica até os biocombustíveis, que ficam menos vantajosos. Não dá para competir com o petróleo a US$ 30.

Por que variações bruscas dos preços do petróleo geram ondas de temor com a observada hoje?

Porque o petróleo é principal fonte de energia do mundo. Sem petróleo não há produção. O crash de hoje serviu para reforçar que o combustível fóssil continua sendo a principal commodity. O mundo precisa dele para crescer. Mas é um cenário que precisa se estabilizar nos próximos dias, senão vai virar um banho de sangue.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.