PATROCINADORES

Corrupção afeta avanço do Brasil em ranking de bem-estar

Em entrevista a MONEY REPORT, o escritor e pensador britânico Richard Barrett, especialista em desenvolvimento de lideranças, fala sobre o Indicador de Consciência Global (Global Consciousness Indicator – GCI), um estudo elaborado por seu instituto sobre o bem-estar da população mundial. Segundo Barrett, a corrupção é o principal fator que atrapalha o desempenho do Brasil no ranking. Confira abaixo os principais trechos:

O que é o Indicador de Consciência Global?

É um instrumento criado há 23 anos que ajuda a mensurar o bem-estar de uma nação e tem como princípio a pirâmide de Maslow, um conceito utilizado para explicar melhor as necessidades do ser humano. Com ele, conseguimos avaliar o nível de satisfação de cada país, considerando paz, democracia, igualdade, economia inteligente, entre outros.


Como o estudo foi feito?

Ele é formado por 17 indicadores e sete níveis de consciência, que são: sobrevivência, relacionamentos, autoestima, transformação, coesão interna, alianças estratégicas e serviço. Levando em contas esses fatores, as melhores nações posicionadas no ranking de 2019 foram Noruega, Nova Zelândia, Finlândia, Dinamarca e Suíça.


Qual foi a posição do Brasil?

Ficou em 58º. Mas observamos uma piora nos últimos anos. Em 2014, por exemplo, o país chegou a estar em 49º.


O que houve de lá para cá?

A corrupção tem prejudicado o Brasil e o combate tem sido insuficiente. Ela afeta o contentamento da população e também impede que a economia avance.


Como assim?

As pessoas enriquecem com dinheiro que não lhes pertence. Esse dinheiro deixa de ser distribuído entre outros setores da sociedade, cria desigualdades e alimenta grupos de poder. Aí surge um abismo entre ricos e pobres. Então a população perde porque há menos dinheiro para satisfazer as necessidades básicas de todos.


O que precisa ser feito então para melhorar isso?

Do ponto de vista público, o governo precisa ser transparente e garantir um bom ambiente para os negócios. Não adianta o país ter companhias corretas se os políticos são corruptos.


E qual o papel do setor privado para mudar o cenário?

A missão das empresas brasileiras é melhorar os níveis de liderança. Cuidar mais dos funcionários, focar no clima organizacional e não apenas nos resultados. Os líderes devem criar condições para a evolução dos funcionários. Isso só será possível com mais investimentos em programas de desenvolvimento.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − três =

Pergunte para a

Mônica.