Document
PATROCINADORES

União Brasil nasce de olho nos R$ 450 milhões do Fundão para mudar jogo partidário

Após algum suspense sobre como seria batizado o partido derivado da fusão entre o Democratas e o PSL, o União Brasil foi anunciado nesta quinta-feira (30), representado pelo número 44 nas urnas. O nome é um generalismo insípido com algo de premeditismo moderador bem ao gosto do Centrão, com quem o novo partido pretende concorrer como genérico no alinhamento governista. Luciano Bivar (PE) (à esquerda) e ACM Neto (à direita), respectivamente presidentes do PSL e do DEM, calculam bem o movimento.

A nova legenda lhes renderia até R$ 450 milhões do fundo partidário, caso consigam trasladar as bancadas intactas. Com tamanho combustível, poderiam financiar campanhas para ampliar a bancada legislativa e até eleger alguns governadores, de forma a mudar o equilíbrio de poder no Congresso. As legendas agora devem encaminhar o pedido de fusão ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Só que este CentrãodoB já começa algo desunido, com 30 desfiliações estimadas por ACM Neto (BA). Entre os que podem desembarcar, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que é abertamente cortejado pelo PSD. Sua saída seria um golpe. E se minguar demais suas fileiras nesse processo, o União Brasil em vez de remeter sua denominação à república federativa ou à antiga e conservadora União Democrática Nacional (UDN), poderá ser visto improvavelmente como algum clube de bairro.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.