Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

“Somos fieis aos nossos eleitores, não ao governo”, diz líder do Novo

“Somos fieis aos nossos eleitores, não ao governo”, diz líder do Novo

Para o líder do partido Novo na Câmara, Marcel van Hattem, a ida do ministro Abraham Weintraub (Educação) à Câmara dos Deputados não mudou o ânimo do Parlamento para votar a reforma da Previdência. Em entrevista a MONEY REPORT, van Hattem defende a continuação do debate sobre o tema e diz que prefere que o projeto que muda as aposentadorias seja aprovado só no próximo semestre. A seguir os principais trechos da entrevista.

Como o senhor avalia a ida do ministro da Educação, Abraham Weintraub, à Câmara dos Deputados?

Ficou dentro do que havíamos previsto. Suspeitávamos que o plenário da Câmara acabaria sendo utilizado mais para finalidade política do que para debater educação. Tanto que, após fazer provocações ao ministro, partidos de esquerda, como PT e PCdoB, que fizeram o requerimento, deixaram o plenário. Não é à toa que votamos contra a ida de Weintraub à Câmara. Além disso, penso que, no momento, é mais importante discutir as medidas provisórias que já estavam na pauta.

O senhor acredita que essa turbulência afetou o humor dos deputados na Câmara para votar a reforma da Previdência?

Penso que não. A reforma da Previdência é uma pauta do Brasil. A Câmara sabe que precisa ser votada. A Comissão Especial continua trabalhando, fazendo reuniões e debates sobre o tema. O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), está empenhado nisso e afirmou que o projeto que muda o sistema de aposentadorias vai ser blindado, independente do que acontecer no governo.

A reforma da Previdência será aprovada até o meio do ano, como quer o governo?

Prefiro que a reforma seja aprovada no segundo semestre, salvando o R$ 1 trilhão proposto pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, do que ser aprovada agora e não preservar a economia que o país precisa.

Muitos parlamentares falam em ausência de articulação por parte do governo. O senhor concorda com essa ideia?

O governo ainda está trabalhando pela articulação, que precisa melhorar. Como estamos no início do mandato, é preciso mais alinhamento e união entre os líderes. Algumas confusões, como quando um membro do Planalto diz uma coisa e depois é desmentido, não contribuem muito.

O partido Novo parece estar mais alinhado ao governo do que o próprio PSL, o partido do presidente.

Negativo. O Novo é fiel aos seus eleitores. Quem nos apoiou nas eleições sabe que estaríamos alinhados a pautas liberais, que são as que o governo tem proposto na área econômica. Se precisar fazer críticas ao governo, nós vamos fazer.

Envie seu comentário