Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Senador Chico Rodrigues pede licença por 121 dias para que filho assuma sua vaga

Senador Chico Rodrigues pede licença por 121 dias para que filho assuma sua vaga

O senador Chico Rodrigues (DEM-RR) pediu nesta terça-feira (20) afastamento do mandato por 90 dias. Horas depois, mudou de ideia e ampliou o pedido para 121 dias. Assim, seu filho e primeiro suplente, Pedro Arthur Ferreira Rodrigues (DEM-RR), poderá assumir a vaga até seu eventual retorno. Um suplente só pode assumir quando o afastamento do titular é superior a 120 dias. Em nota, a defesa do parlamentar apontou que a licença será “sem recebimento de salários”. Na última semana, Rodrigues foi flagrado em uma operação da Polícia Federal com R$ 33 mil escondidos na cueca.

A ação mirava desvios de recursos públicos para o enfrentamento à pandemia do novo coronavírus em Roraima. O político afirmou que o dinheiro não tinha origem ilícita e seria usado para o pagamento de funcionários da empresa da família. Por causa do episódio, ele foi pressionado a deixar a vice-liderança do governo no Senado e também o Conselho de Ética da Casa. Não que a entrada do filho no Senado torne a situação da família de políticos mais tranquila. Pedro Arthur é sócio de uma empresa investigada por suspeita de fraude e corrupção em contratos públicos.

Com o afastamento, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta terça-feira (20) suspender sua decisão que determinava que o afastamento do senador Rodrigues. Com a decisão de Barroso, o plenário do STF não vai mais precisar julgar o caso na quarta-feira (21) nem o Senado precisará decidir se manteria ou não o afastamento.

No entendimento do ministro Barroso, que é relator do caso, o afastamento resolveu o assunto. “A licença requerida pelo senador e deferida pelo presidente do Senado produz os efeitos da decisão por mim proferida no que se refere ao seu afastamento temporário do mandato parlamentar, já que, licenciado, o investigado não poderá se valer do cargo para dificultar as apurações e continuar a cometer eventuais delitos”, afirmou.

Envie seu comentário

13 + 1 =