PATROCINADORES

O tamanho da corrupção no Brasil, segundo ex-diretor da PF

A Operação Lava Jato começou com uma simples investigação de crimes de lavagem de dinheiro e logo revelou um gigantesco esquema envolvendo políticos de praticamente todo os partidos e algumas das maiores empresas do país. A entrevista do ex-diretor-geral da Polícia Federal Leandro Daiello, publicada nesta segunda-feira (18) no jornal O Estado de S. Paulo, traz uma dimensão do tamanho da corrupção no Brasil. Daiello afirmou que as ações da PF não vão parar e que, com o que já foi apreendido até aqui, “há material para mais cinco anos de operações”. “Esse negócio não vai parar. O que tinha de papel e dados digitais na polícia quando eu saí era suficiente para quatro ou cinco anos de operações. Não tem outro jeito. Você vai na empresa e acha uma sala inteirinha com papéis, aí começa a cruzar e vem a operação. Quando eu saí tínhamos um projeto de modernização e informatização para novos focos. O sistema Atlas tem uma capacidade de processamento absurda. O que um policial demorava sete, oito dias para fazer ele faz em um minuto. Demora mais para imprimir do que para processar”, disse o chefe da PF.

Por que é importante

Leandro Daiello comandou a Polícia Federal por seis anos e dez meses. Ele deixou o cargo em novembro do ano passado

Quem ganha

A independência da PF para apurar os casos de corrupção

Quem perde

O Brasil. Os escândalos prejudicam o desenvolvimento da economia e o fortalecimento da democracia

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − 8 =

Pergunte para a

Mônica.