Pesquisar
PATROCINADORES
PATROCINADORES

O lucro provoca uma inveja irracional e hipócrita

Por que Mr. Beast está sendo atacado por levar água potável a 500 mil africanos

James Stephen “Jimmy” Donaldson, mais conhecido por seu apelido profissional “Mr. Beast”, ganhou fama — e centenas de milhões de dólares para causas humanitárias — ao alavancar sua plataforma de mídia social.

Ele limpou nossos oceanos, plantou 20 milhões de árvores e combateu a fome alimentando pessoas necessitadas em comunidades nos EUA. No seu mais recente esforço, Mr. Beast construiu 100 poços na África, levando água potável a cerca de 500.000 pessoas em países como Quênia, Camarões e Zimbabué.

Mas nem todo mundo está feliz com a última campanha de Mr. Beast, ou com seus esforços filantrópicos mais amplos.

Um político queniano disse à CNN que a campanha de Mr. Beast alimentou a percepção de que os países africanos são “dependentes de esmolas”, enquanto o fundador de uma instituição de caridade se queixou de que “uma figura masculina branca com uma plataforma enorme… recebe toda a atenção”.

Embora isso possa soar simplesmente como amargor – e é provável que seja -, as críticas contra Mr. Beast são muito mais amplas do que muitos podem suspeitar. Durante anos, muitos reclamaram que a estratégia de “filantro-tenimento” de Mr. Beast – combinando filantropia com entretenimento online – é exploradora.

Por exemplo, em fevereiro, quando Mr. Beast fez parceria com uma organização sem fins lucrativos para fornecer cirurgia de restauração da visão – procedimentos pelos quais Mr. Beast pagou pessoalmente –, ele foi acusado de “pornografia de pobreza”.

“… tudo isso a serviço do enriquecimento”, tuitou uma pessoa.

“Ele se preocupa com os pobres e os deficientes porque eles lhe rendem dinheiro”, disse outro.

“Médicos/enfermeiros não exploram a dignidade dos seus pacientes para obter lucro”.

“O estrangulamento dos que buscam lucro”

A última palavra é fundamental: lucro.

O lucro tornou-se um palavrão no último século. Ayn Rand explorou detalhadamente a crescente aversão ao lucro em sua obra clássica A Revolta de Atlas, um romance distópico que retrata uma sociedade na qual os titãs da indústria que produzem os bens e serviços da sociedade são vistos com desprezo por muitos – especialmente os desonestos – por perseguirem lucro.

James Taggart, um vilão do romance, fala em “quebrar a cruel tirania do poder econômico” e libertar “os homens do domínio do dólar”.

“Libertaremos a nossa cultura do estrangulamento dos que buscam o lucro”, troveja Taggart.

Rand estava consciente do fato de que o nosso mundo moderno estava transformando a ideia de lucros num pecado, embora o economista Adam Smith tenha observado há muito tempo que o interesse próprio é a fonte da prosperidade econômica na sociedade.

“Não é da benevolência do açougueiro, do cervejeiro ou do padeiro que esperamos o nosso jantar, mas da consideração deles pelos seus próprios interesses”, escreveu Smith em A Riqueza das Nações.

Smith entendeu que o interesse próprio não é apenas saudável e racional; é o motor econômico da sociedade. Na busca dos seus próprios desejos, o açougueiro presta um serviço essencial aos outros, tal como o fazem o cervejeiro e o padeiro.

No entanto, o lucro é um anátema para muitos hoje em dia, especialmente para aqueles que foram inundados com tropos de justiça social nas universidades. A noção marxista de que os lucros são mera exploração foi adotada por muitos, mesmo por pessoas que provavelmente nunca se considerariam marxistas.

Tal como o empresário falido em A Revolta de Atlas que se defende dizendo “posso dizer com orgulho que em toda a minha vida nunca tive lucro”, muitos jovens veem agora o lucro como sinônimo de exploração.

“Inspirar as pessoas a ajudar os outros é ótimo, mas encorajar os jovens a explorar comunidades vulneráveis em busca de conteúdos dos quais possam lucrar enormemente é o problema”, tuitou o correspondente de reclamações do Washington Post, Taylor Lorenz.

Em outras palavras, o desprezo sobre Mr. Beast decorre do fato de ele ter acumulado uma fortuna estimada em US$ 500 milhões, ao mesmo tempo que realizava as suas notáveis conquistas humanitárias.

E vale a pena notar que as críticas que recebeu contrastam notavelmente com os elogios (iniciais) generalizados de Sam Bankman-Fried, o fundador da FTX que construiu um império pregando um altruísmo eficaz e rejeitando a importância dos lucros.

“Não há problema em fazer um acordo moderadamente ruim para resgatar um lugar”, disse a SBF durante uma conversa em 2022 com a Bloomberg.

SBF deixou claro que não estava muito preocupado com lucros exorbitantes; ele estava mais focado em ajudar os outros. (Uma inspeção mais detalhada da retórica e dos negócios privados de SBF mostra que ele estava muito mais preocupado em ganhar dinheiro para si mesmo do que deixava transparecer.)

A diferença é que os esforços humanitários de Mr. Beast realmente funcionaram, enquanto os esforços “altruístas” de SBF falharam miseravelmente (e ele enfrenta agora mais de 100 anos de prisão).

Esta é a verdadeira razão pela qual Mr. Beast está sofrendo tanto. Ele está mostrando o poder da ação voluntária e o poder milagroso da motivação do lucro. No entanto, isto não é apenas um forte contraste com os esforços altruístas de SBF.

“É constrangedor”

Uma das melhores citações que você encontrará sobre o trabalho humanitário de Mr. Beast na África vem do jornalista queniano Ferdinand Omond.

“É constrangedor que um YouTuber tenha viajado para o Quênia em uma viagem de caridade para realizar tarefas que nossos impostos deveriam ter concluído há muito tempo”, disse Omond.

Essas palavras devem doer, em grande parte porque soam muito verdadeiras.

Será isto uma vergonha para o governo queniano, que há muito tempo é atormentado pela ineficiência e pela corrupção? Sem dúvida. Mas é também uma vergonha para todos os intelectuais públicos que insistem que os lucros são maus e que os esforços liderados pelo governo são a solução para a pobreza, apesar do seu histórico sombrio.

E devemos salientar que o governo queniano não é o único que se revelou totalmente inepto no combate à pobreza.

Em 1964, o Presidente Lyndon B. Johnson declarou a famosa “guerra” à pobreza. Nas cinco décadas seguintes, a transferência média de riqueza, em termos reais, para uma família de baixos rendimentos aumentou de US$ 3.070 per capita (1965) para US$ 34.093 (2016). O economista Vance Gill estimou no ano passado que o governo federal gastou um total de US$ 25 trilhões nos seus quase 60 anos de Guerra contra a Pobreza.

Quais foram os resultados dessa fortuna em gastos federais?

De acordo com o Censo dos Estados Unidos, em 1966, a porcentagem de famílias americanas que viviam na pobreza era de 12,4%. Hoje, de acordo com novos dados do Censo dos EUA, a porcentagem de americanos que vivem na pobreza é de… 12,4%.

Isso mesmo. Desde 1964, apesar de dezenas de trilhões de dólares gastos apenas a nível federal, a taxa de pobreza nos EUA não se alterou; simplesmente oscilou no mesmo nível desde que os Beatles chegaram na Invasão Britânica.

Alguns poderiam argumentar que a pobreza nos EUA poderia ser muito pior se não tivéssemos gastado US$ 25 trilhões no seu combate, mas isto ignora uma verdade inconveniente. Nas duas décadas anteriores à Guerra contra a Pobreza, a pobreza caiu de 32,1% para 12,4%.

Tudo isso ajuda a explicar por que Mr. Beast está sendo atacado, apesar de todo o bom trabalho que está fazendo.

Milton Friedman disse que um dos maiores erros que os humanos cometem “é julgar as políticas e programas pelas suas intenções e não pelos seus resultados”.

Os resultados da filantropia de Mr. Beast, que é totalmente voluntária e voltada para o lucro, superam em quilômetros os esforços liderados pelo governo. E é isso que seus críticos não suportam.

_____________________________________________________________

Por Jon Miltimore

Publicado originalmente em: https://encurtador.com.br/hnHQ9

Compartilhe

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.

[monica]
Pesquisar

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.