Document
PATROCINADORES

Após as eleições, Guedes quer insistir com propostas rejeitadas

A discussão sobre cortes, fusões e rearranjos orçamentários estão em banho-maria no governo por causa das eleições municipais. O que significa que, a partir de dezembro, mais tardar início de janeiro, o assunto deve retornar com intensidade. E quem terá que colocar a discussão é o ministro da Economia, Paulo Guedes, que para cumprir as metas fiscais e manter as contas abaixo do teto de gastos, deve insistir junto ao presidente Jair Bolsonaro com sua proposta já rejeitadas.

Entre elas, redução de benefícios como o abono salarial, desindexação de aposentadorias, pensões e benefícios acima de um salário mínimo por dois anos, criação de um novo imposto – a Nova CPMF – e a extinção do desconto do desconto de 20% aos que optam pela declaração simplificada do Imposto Renda.

Nenhuma das opções agrada ao presidente. Bolsonaro e Guedes seguem tentando se equilibrar entre as necessidades políticas e fiscais. Na quarta-feira (7), o presidente disse que não haverá “jeitinho” na ampliação dos programas sociais e que a palavra final em decisões econômicas são dele e do ministro da Economia.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.