Document
PATROCINADORES

Braga Netto nega ter ameaçado eleições por causa do voto impresso

Em audiência na Câmara dos Deputados para esclarecimentos nesta terça-feira (17), o ministro da Defesa, Walter Braga Netto (imagem), afirmou que não fez ameaças às eleições de 2022 caso a PEC do voto impresso não fosse aprovada no Congresso. Ele participou de uma audiência conjunta das comissões do Trabalho, das Relações Exteriores e de Fiscalização Financeira e Controle. Confira:

Principais esclarecimentos

  • Eleições: uma reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, publicada em julho havia relevado, até então, que Braga Netto teria enviado mensagem ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), por meio de um interlocutor, dizendo que não haveria pleito em 2022, caso o voto impresso não fosse aprovado na Casa. Após a informação se tornar pública, ambos negaram o que o episódio existiu.
  • Resposta: “Reitero que eu não enviei ameaça alguma. Não me comunico com presidentes de Poderes, por intermédio de interlocutores. No mesmo dia, ainda pela manhã, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, confirmou publicamente que não houve esse episódio”. E completou: “Considero esse assunto resolvido, esclarecido e encerrado”.
  • Aziz: Braga Netto também teve que esclarecer uma nota assinada por ele e pelos comandantes das Forças Armadas dizendo que não aceitariam ataques levianos em resposta a uma declaração do presidente da CPI da Pandemia, o senador Omar Aziz (PSD-AM). Na ocasião, o Aziz disse em 7 de julho, em referência a militares envolvidos em denúncias sobre negociações de vacinas e que o lado bom das Forças Armadas deveria estar envergonhado desse “lado podre”.
  • Resposta: “Não houve ameaça. Em momento algum a mensagem teve por objetivo desrespeitar o Senado ou os senadores e nem mesmo a eles se referiu. Como expliquei e conversei com próprio presidente do Senado [Rodrigo Pacheco], e ele compreendeu perfeitamente e depois fez um outro comunicado. Ao contrário, foi emitida uma resposta a um pronunciamento pontual considerado desrespeitoso e injusto”.

Outros questionamentos

  • Caso sergipano: Braga Netto chamou de “ilação” a denúncia feita pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE) que oficiais do Exército tenham ido para Sergipe com a missão de levantar informações sobre sua vida. O ministro disse que após o relato, conversou com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para esclarecimentos, sem especificá-los;
  • Blindados: ele negou que o desfile de blindados na Esplanada dos Ministérios, na manhã de 10 de agosto, tenha sido uma tentativa de intimidar o Congresso, que naquela noite rejeitou na Câmara a PEC do voto impresso. Braga Netto afirmou que o desfile estava programado, com antecedência, não disse desde quando, mas não tinha conotação de ameaça ou de intimidação.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.