Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Virgin Atlantic, de Richard Branson, pede recuperação judicial nos EUA

Virgin Atlantic, de Richard Branson, pede recuperação judicial nos EUA

A crise gerada pelo novo coronavírus levou a companhia aérea britânica Virgin Atlantic a pedir recuperação judicial em Nova York. A linha aérea, que opera somente rotas internacionais, suspendeu todas as operações em abril, quando a pandemia causou colapso nas demandas de viagens, e retomou os voos somente em julho. A empresa, que tinha mais de 30 anos de operações lucrativas, chegou a negociar um empréstimo privado de 1,2 bilhão de libras esterlinas, cerca de 8,3 bilhões de reais, mas não conseguiu fechar o acordo.

O fundador da companhia aérea, o bilionário Richard Branson, anunciou publicamente que daria sua ilha particular como garantia do empréstimo. A Virgin Atlantic também recorreu, sem sucesso, a um pedido de socorro ao governo britânico. Sem condições de arcar com suas obrigações de curto prazo, a empresa recorreu a lei de falências dos Estados Unidos, baseada no capítulo 15 da legislação, que envolve empresas que operam em vários países. Ao acionar o dispositivo, a companhia aérea protegeu seus ativos nos Estados Unidos de credores do Reino Unido, enquanto busca a reestruturação financeira. Recentemente a empresa encerrou as atividades de sua base no aeroporto de Gatwick, o segundo mais movimentado da região metropolitana de Londres, e cortou mais de 3,5 mil postos de trabalho.

Envie seu comentário

dezenove − quatro =