Document
PATROCINADORES

Em artigo, Gustavo Franco debate as razões do baixo crescimento

Em artigo publicado neste domingo no jornal O Estado de S. Paulo, o ex-presidente do Banco Central, Gustavo Franco, explica por que a retomada do crescimento econômico está tão lenta. Segundo ele, o país está com grande dificuldade em criar um novo modelo após o fracasso (e falência) da Nova Matriz Econômica, a política adotada por Guido Mantega nos seus tempos de Brasília que defendia juro baixo, controle cambial e muito dinheiro público na economia (via investimentos, subsídios e desonerações).

O sócio da Rio Bravo Investimentos não joga a responsabilidade do marasmo para o governo (nem de Temer, nem Bolsonaro). Ele prefere olhar para os investimentos privados, que andam em baixa. “A formação bruta de capital fixo do setor privado, ou o Capex, para usar o jargão contábil-empresarial (os gastos de capital), é muito baixa há anos, e as empresas estão acomodadas nessa situação”, escreveu. Segundo ele, a ojeriza ao endividamento é reflexo dos juros historicamente altos. “Nossos tesoureiros são excelentes para aplicar dinheiro e otimizar o caixa, mas morrem de medo de tomar dinheiro emprestado, exceto quando se trata de crédito direcionado baratinho que só os amigos do governo conseguem obter. “

A queda dos juros mudou esse cenário. O que falta, então, para que os investimentos privados destravem? Confiança, diz Franco. “E é nesse ponto que está empacada a nossa “mudança de modelo”, que deveria vir na forma de um bom plano de recuperação de empregos. Mas de que é feito um plano que produz ‘confiança’? Se fosse apenas juntar bons economistas e elogiar publicamente suas ideias, o Plano Cruzado teria funcionado. Há componentes na mistura que não têm de ver com economia.”

Perfeito.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.