Pesquisar
PATROCINADORES
PATROCINADORES

É oficial: o capitalismo de livre mercado melhora vidas

Cortes marginais de impostos estimulam a expansão dos negócios, aumentando assim a intensidade de capital e aumentando os salários

A credibilidade do capitalismo de livre mercado é constantemente ameaçada por críticos que duvidam de sua propensão para gerar prosperidade. Sua reputação é abalada diariamente pelas canetas venenosas de escritores de esquerda que defendem alternativas estatistas e seus aliados conservadores que promovem o nacionalismo econômico. No entanto, tais narrativas são frequentemente perfuradas pela evidência penetrante dos dados empíricos. O anticapitalismo não oferece nada além do apelo da retórica emocional.

Quando testadas, suas suposições desmoronam sob escrutínio ao mostrar a superioridade do livre mercado. A globalização, por exemplo, é um dos principais alvos das críticas antimercado, mas em vez de prejudicar as economias locais, como alguns sugerem, pesquisas indicam que a liberalização comercial aumenta as taxas de crescimento. A abertura comercial permite que os empreendedores acessem mercados maiores e se beneficiem da transferência de tecnologia. Os governos expandem as oportunidades de negócios para os cidadãos, reduzindo as barreiras comerciais, tornando a globalização um veículo para o empreendedorismo. A suspensão das barreiras ao comércio internacional aumenta o potencial de crescimento de um país.

Em vez de devastar as economias, a globalização constrói capacidade de aprendizado ao expor os países a técnicas de negócios atualizadas e tecnologias inovadoras. É claro que a globalização fecha alguns postos de trabalho, interrompendo setores protegidos, mas esses empregos ineficientes são substituídos por empregos em setores mais produtivos com melhor remuneração. Ao contrário das alegações de protecionismo, os trabalhadores em economias abertas recebem salários mais altos do que seus colegas em economias fechadas. Por exemplo, os chilenos empregados nos setores mais globalizados ganham, em média, 25% a mais do que aqueles em setores de baixa abertura.

Outro efeito favorável da globalização é a melhoria das condições de trabalho. Por estarem sob o microscópio da opinião pública, as empresas globais são incentivadas a melhorar as condições de trabalho e oferecer salários competitivos aos funcionários. Além disso, as expectativas dos protecionistas de que os direitos trabalhistas são violados pela abertura econômica são contrariadas por evidências que destacam uma associação positiva entre abertura e ambientes flexíveis de trabalho. As fábulas do anticapitalismo também são contestadas pela constatação de que, em vez de engrossar as fileiras dos pobres, a globalização reduz a pobreza absoluta.

Os anticapitalistas interpretam o comércio como um jogo de soma zero, enriquecendo uma parte em detrimento de outra, quando a verdade é que a globalização está levando à convergência de renda, e a ascensão dos países em desenvolvimento não prejudicou o crescimento no mundo desenvolvido. A rápida ascensão econômica de uma grande proporção de países em desenvolvimento perturba a teoria de que a globalização é projetada para elevar os países ocidentais. Devido à globalização, os países em desenvolvimento em regiões ocidentais e não ocidentais têm experimentado um renascimento econômico. Países anteriormente pobres que abandonaram as políticas socialistas em favor de reformas pró-mercado, como Polônia e Estônia, agora são elogiados por seu surpreendente desempenho econômico.

O economista Marcin Piatkowski argumenta que o sucesso da Polônia se deve à sua abordagem meticulosa às reformas econômicas: “Em primeiro lugar, a Polônia parece ter sido mais completa na introdução de reformas de mercado no início da transição”. Essa abordagem proativa provocou um boom no setor privado e lançou as bases para o ressurgimento da Polônia. Além disso, outras observações relatam que o crescimento da renda não se limita a um pequeno subconjunto de países:

Desde meados da década de 1990, não foi ‘apenas’ a China, a Índia ou um grupo seleto de países asiáticos que se saíram bem; os países em desenvolvimento, em média, ultrapassaram o mundo desenvolvido. E nesta era de convergência incondicional, os países de renda média – longe de ficarem presos à armadilha – experimentaram volatilidade reduzida e crescimento mais persistente.

As iniciativas anticapitalistas não promovem o florescimento humano, e as evidências em favor das políticas pró-mercado estão se acumulando. Uma sugestão popular da esquerda é taxar os ricos com alíquotas mais altas para que a riqueza possa ser redistribuída. No entanto, de acordo com um novo estudo, os cortes marginais de impostos incentivam os empreendedores a estimular o investimento através da expansão dos negócios, aumentando assim a intensidade de capital e aumentando os salários dos trabalhadores. Da mesma forma, um estudo complementar conclui que a tributação progressiva reduziu o crescimento e a renda per capita nos Estados Unidos. Se o progresso econômico é o objetivo, então obviamente as propostas de esquerda devem ser abandonadas.

Embora as narrativas anticapitalistas dominem as ondas de rádio, é improvável que elas permitam a prosperidade econômica. Eventualmente, esses chavões só levam à pobreza e à estagnação, como as evidências bem revelam.

__________________________________________________

Por Lipton Matthews

Publicado originalmente em: https://encurtador.com.br/4uvH8

Compartilhe

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.

[monica]
Pesquisar

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.