Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Dificuldade de acesso ao crédito mantém incerteza da economia em patamar elevado, diz FGV

Dificuldade de acesso ao crédito mantém incerteza da economia em patamar elevado, diz FGV

A prévia do Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br), divulgado nesta segunda-feira (15) pela Fundação Getulio Vargas, sinaliza uma queda de 3,1 pontos em junho, para 187,2 pontos. Apesar do segundo recuo seguido, o indicador devolveria apenas 24% do salto de 95,4 pontos observado no bimestre março-abril – início da crise do novo coronavírus. Para Anna Carolina Gouveia, economista da FGV IBRE, a tímida queda de junho sugere uma estabilização dos níveis de incerteza em patamar próximo aos 190 pontos, cerca de 50 pontos acima do recorde anterior à crise atual, que era de 136,8 pontos, em setembro de 2015. “Além das dúvidas relacionadas à evolução da pandemia e das medidas de isolamento social no Brasil, fatores econômicos, como as dificuldades de acesso ao crédito pelas empresas, e políticos têm contribuído para a manutenção de níveis elevados de incerteza”, comentou. Segundo a FGV, o componente de Mídia cairia 5,2 pontos na apuração preliminar, para 165,9 pontos, após recuar 24,2 pontos no mês anterior. Já o componente de Expectativa, subiria em 6,4 pontos, para 236,5 pontos, o segundo maior nível da série, ficando abaixo apenas do nível de outubro de 2002, quando chegou a 257,5 pontos. “O componente de Expectativa vem subindo desde o início da crise, confirmando a enorme dificuldade de se fazer previsões econômicas em 2020”, completou Anna Carolina.

Envie seu comentário

cinco + oito =