Document
PATROCINADORES

ENTREVISTA-Algar Agro sai de trading de grãos e foca processamento no Brasil

Por José Roberto Gomes

SÃO PAULO (Reuters) – A Algar Agro, braço agroalimentar do grupo empresarial Algar, alterou sua estratégia e não praticará mais as atividades de trading para exportações de grãos, focando seus negócios totalmente no mercado interno, onde detém força com a venda de óleo de soja.

A mudança de rumo encerra quase três anos de operações de exportação de soja e visa dar maior rentabilidade à companhia, atuante no mercado da oleaginosa desde a década de 1970, disse à Reuters o novo presidente da empresa, Djalma Lima Filho.

A empresa, assim como outras do setor, foi atingida em cheio por margens fracas nas vendas de commodities nos últimos anos, diante de grandes safras no mundo que pressionaram os preços. E agora busca formas de melhorar seus lucros.

“Em 2018, nosso foco será total no mercado doméstico. Vamos recuperar a atuação que por muitos anos nos deixou em uma posição de grande rentabilidade… Temos uma capilaridade muito boa em originação (de soja) e a direcionaremos para o mercado doméstico”, afirmou o executivo, que assumiu o posto em janeiro.

“Em determinado momento, em especial na região Sudeste, chegamos a ocupar a liderança em ‘market share’ (em óleo). Em Minas Gerais chegamos a ter 20 por cento de mercado. Com o foco em trading, perdemos essa participação”, disse.

A companhia é dona da marca ABC de óleo de soja e também comercializa farelo de soja, azeite de oliva, extrato e molho de tomate.

Lima Filho ponderou, contudo, que a Algar Agro não se arrepende pela aposta nos negócios de trading e frisou que a alteração na estratégia é um “ajuste” após margens apertadas no setor.

Com duas unidades de processamento, em Uberlândia (MG) e Porto Franco (MA), além de 17 armazéns localizados em diversas regiões do Brasil, a Algar Agro deve movimentar neste ano 750 mil toneladas de soja, ante 1,2 milhão no ano passado, disse o presidente da empresa, que anteriormente comandava o grupo agroindustrial colombiano Riopaila Castilla.

Segundo ele, essa queda no volume é natural, já que as atividades de trading não ocorrerão. Todo a soja prevista para 2018 será esmagada, enquanto em 2017 o processamento atingiu 607 mil toneladas, com o restante sendo exportado, principalmente para China e países da Europa.

“Continuaremos originando grãos, principalmente na região Sudeste e no Maranhão, e serão para ‘crushing’ (esmagamento)… Chegaremos a 750 mil toneladas neste ano, com potencial de crescimento de 30 por cento até 2020”, destacou o executivo, citando a nova estratégia da empresa e a própria recuperação da economia do Brasil como razões para essa perspectiva positiva.

O foco voltado ao mercado interno também deve reverberar sobre o faturamento da Algar Agro, previsto em 1,3 bilhão de reais neste ano, ante cerca de 1,5 bilhão em 2016 e 2017, destacou o executivo, que já havia passado pela empresa como diretor industrial e diretor de operações na década passada.

Mas essa queda não é necessariamente uma previsão ruim. De acordo com Lima Filho, a nova estratégia permitirá uma maior margem à Algar Agro.

“Vamos ter um crescimento de 100 por cento no Ebitda Margem frente à média dos três anteriores… Vamos privilegiar a rentabilidade em detrimento do faturamento”, destacou.

MAXIMIZAÇÃO DE PRODUÇÃO

A nova estratégia da Algar Agro não prevê novas unidades de processamento ou armazéns, disse Lima Filho, acrescentando que a intenção agora é “rentabilizar” os investimentos de 240 milhões de reais realizados recentemente.

“Nesse horizonte de curto e médio prazo, a ideia é recuperar a captura de valor. Projetos de impacto não estão nos nossos planos. Queremos aumentar o fator de utilização, retomar a excelência de operações. Queremos rentabilizar os investimentos feitos nos últimos cinco anos, com gestão de custos”, afirmou.

Em 2018, o fator de utilização da Algar Agro será de 75 por cento da capacidade instalada nas duas unidades, que soma pouco mais de 1 milhão de toneladas por ano.

Nesse sentido, a ideia da empresa é maximizar o uso da capacidade nas regiões onde já atua, sem expansão, “num primeiro momento”, para outras áreas do país.

Também segue no radar da Algar Agro a entrada de parceiros para suas atividades, embora, por ora, não haja nada para ser anunciado, disse o presidente, ressaltando que a companhia estará sempre atenta a oportunidades de trading.

No ano passado, circulou a notícia de que a subsidiária brasileira do grupo japonês Mitsui estaria para comprar 30 por cento de participação na Algar Agro. Indagado sobre o potencial negócio, Lima Filho disse que não há nada para se comentar neste momento.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.