Document
PATROCINADORES

Uma lição que Trump poderia ensinar a Bolsonaro

Muitas pessoas fazem comparações sobre Donald Trump e Jair Bolsonaro. Há, de fato, vários pontos em comum no discurso, comportamento e estratégias de comunicação. Ainda há uma dúvida: haverá semelhanças também na estratégia de reeleição? Estamos prestes a abrir os trabalhos de uma campanha eleitoral e, assim, a curiosidade a respeito da tática a ser adotada pelo presidente começa a surgir.

Muitos acreditam que Bolsonaro irá repetir a estratégia de 2018, batendo no PT, defendendo o conservadorismo de costumes e se mostrando como uma única solução de direita. Temos de lembrar, no entanto, de que houve uma pandemia entre os dois pleitos – e isso mudou muita coisa.

No caso de Trump, ele sofreu uma queda abissal de popularidade durante o combate à Covid-19 em seu país. Apesar disso, o ex-presidente americano continuou convencido até o último minuto (e talvez siga assim até hoje) que tinha feito um excelente trabalho e que as pesquisas de opinião eram mentirosas. Como ele perdeu as eleições, houve um sinal claro de descontentamento do eleitorado em relação à gestão republicana. Biden venceu por 306 votos a 232 no Colégio Eleitoral e também obteve a maioria dos votos populares (51,3 % contra 46,8 % — a diferença é decorrente dos sufrágios conquistados pelos candidatos independentes).

No livro “I Alone Can Fix It” (“Eu Posso Resolver Isso Sozinho”), de Carol Leonnig e Philip Rucker, sobre o último ano de Trump, há uma passagem interessante sobre a insistência do presidente em repetir o mesmo discurso de quatro anos antes.

Em maio de 2020, Trump foi procurado pelo ex-governador de Nova Jérsei, Chris Christie (republicano como o presidente). Christie começou a conversa dizendo que Trump iria perder a eleição se mantivesse o mesmo discurso. Ele disse o seguinte:

– Você está repetindo a campanha de 2016, mas não deveria fazer isso. Esse truque nunca funciona. Os tempos são diferentes. Você é uma pessoa diferente. O jeito que as pessoas percebem a sua candidatura é diferente. Seu oponente é diferente. Portanto, não faz a menor lógica repetir a mesma campanha.

Havia, porém, uma diferença: Trump também estava falando do passado, listando seus feitos como se fossem trunfos especialíssimos. O ex-governador percebeu essa sutileza e a criticou:

– Candidatos que vencem são aqueles que falam sobre o amanhã, não a respeito de ontem. Você está falando muito sobre o passado e precisa parar com isso. […] Os eleitores querem saber o que você vai fazer em seguida. Eles não querem saber o que você fez. Eles viveram esse passado e foram beneficiados ou não por suas ações.

Aqui talvez esteja a chance de Bolsonaro para virar o jogo: há algo que pode ser acrescentado em seu discurso. Essa novidade seria o novo programa de assistencialismo social, que ganhará uma expansão e cujo valor sofrerá um reajuste significativo em relação ao benefício já pago pelo extinto Bolsa-Família.

Ainda há dúvidas se o presidente poderá contar com o apoio da parcela mais miserável da população. Mas, se isso ocorrer e uma estratégia nova de campanha surgir, as chances de reeleição aumentam.

O problema é que, como Trump, Jair Bolsonaro também padece de uma teimosia titânica. Conseguirá ele se livrar do discurso lacrador que tanto agrada seus apoiadores mais fanáticos? Difícil. Muito difícil.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.