PATROCINADORES

Trump é criticado após cortar fundos para a OMS

Depois de ter anunciado o congelamento dos repasses financeiros à Organização Mundial de Saúde (OMS), o presidente americano Donald Trump foi criticado por líderes de outros países e pelo secretário-geral das Nações Unidas. Pressionado pelo avanço descontrolado da Pandemia nos Estados Unidos, Trump afirmou, na terça-feira (14), que a OMS “falhou” e deve ser responsabilizada por “promover desinformação” sobre o coronavírus. Os EUA são o maior financiador da OMS, com US$ 400 milhões anuais, somando 10% do orçamento.

António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, alertou que a agência global está “na linha de frente” da crise e não é hora de interromper o financiamento. “É minha convicção que a Organização Mundial da Saúde deve ser apoiada, pois é absolutamente crítico para os esforços do mundo para vencer a guerra contra a covid-19”, disse.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, expressou sua consternação com a perda de financiamento nesta quarta-feira (15). “Com o apoio do povo e do governo dos Estados Unidos, a OMS trabalha para melhorar a saúde de muitas das pessoas mais pobres e vulneráveis ​​do mundo “, afirmou. “A OMS não está apenas lutando contra a covid-19 ”, acrescentou. “Também estamos trabalhando para combater a poliomielite, sarampo, malária, ebola, HIV, tuberculose, desnutrição, câncer, diabetes, saúde mental e muitas outras doenças e condições”, completou.

Heiko Maas, o ministro das Relações Exteriores alemão, criticou a decisão de Trump pelo Twitter, afirmando que não adianta procurar culpados agora. “O vírus não conhece fronteiras”, escreveu. Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês pediu, publicamente, que os EUA cumpram sua obrigação com a OMS nesse momento crítico. O presidente da União Africana, Moussa Faki Mahamat, classificou o episódio como “profundamente lamentável” e defendeu a instituição.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.