Document
PATROCINADORES

Temer ri da imitação de Bolsonaro. “No big deal”…

Em um jantar realizado ontem na casa do empresário Naji Nahas, o humorista André Marinho, filho de Paulo Marinho, ex-amigo de Jair Bolsonaro, fez uma imitação muito boa do presidente, para deleite dos convidados – entre eles, o ex-presidente Michel Temer. No esquete de André, Bolsonaro reclamaria a Temer do conteúdo da carta que divulgou em 8 de setembro: “Cadê a parte que eu combinei de botar o pau de arara na Praça dos Três Poderes e dar de chicote no lombo de Alexandre de Moraes?”.

A passagem foi gravada pelo publicitário Elsinho Mouco e viralizou, sendo comentadíssima na manhã de hoje. Alguns analistas lamentaram que o presidente tenha virado chacota em meio a uma situação política gravíssima. Houve quem ficasse indignado com Temer e até quem tenha visto na reação divertida dos convidados uma manifestação explícita de desembarque no apoio ao governo. Outros acharam que era um jantar para celebrar o recuo da postura agressiva do mandatário e seu novo alinhamento com o Centrão.

No fundo, porém, o que se vê é apenas um grupo de pessoas rindo de uma imitação bem-feita e com roteiro brincalhão. Se outro humorista fizesse a mesmíssima imitação ao próprio Bolsonaro, ele provavelmente também daria suas risadas.

Durante os oito anos que governou o Brasil, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi mimetizado à exaustão – em situações semelhantes à ocorrida ontem. Em um jantar realizado em São Paulo, por sinal, Lula foi avisado de que um dos banqueiros presentes sabia imitá-lo muito bem. Ao final do jantar, ao cafezinho, abordou o financista e pediu: “Me imita”. Sem saída, ele fez a tal imitação (já ouvi: é excelente). Lula gargalhou e abraçou o interlocutor.

Situações como essas são absolutamente corriqueiras no Brasil. Não merecem grandes análises ou comentários. Como dizem os americanos, “no big deal”…

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.