Document
PATROCINADORES

Segunda onda da pandemia cresce na Europa

Desde meados de setembro, a Europa se tornou palco de novas preocupações com a recuperação da economia na pandemia, já que a segunda onda de contaminação cresce com de modo incontrolável. Os governos locais retomaram, paulatinamente, as políticas de distanciamento social, porém, com a gravidade crescente, medidas drásticas foram tomadas. A França, mesmo com as novas políticas, segue registrando grandes quantidades de casos diários. Nas últimas 24 h horas as UTIs receberam 447 doentes, quantidade similar ao pico de março e abril.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou nesta quinta-feira (05) que o Velho Continente está passando por uma “explosão” de casos com taxas de mortalidade crescentes. De acordo com o diretor-geral de saúde da França, Jérôme Salomon, o país contabiliza 1,60 milhão de casos totais – só ficando atrás da Rússia na região, com 1,69 milhão de registros. Espanha tem 1,3 milhão e Reino Unido, 1,2 milhão.

Em 22 de outubro, o governo já havia expandido o toque de recolher para 38 regiões, proibindo a circulação de pessoas entre 21h e 6h e multando os infratores em 135 euros . “O vírus circula em velocidade não antecipada nem pelas previsões mais pessimistas […]. Estamos todos na mesma posição: invadidos por uma segunda onda que será, sem dúvidas, mais difícil e mais mortal do que a primeira”, afirmou o presidente francês Emmanuel Macron.

A Alemanha registrou nesta quinta-feira (5), pelo segundo dia seguido, mais de 20 mil casos. Desde segunda-feira (2) o país adotou um lockdown parcial. Bares, cafés, museus, cinemas, teatros e outros estabelecimentos de entretenimento fechados; escolas e lojas seguem abertas, de acordo com as normas de distanciamento e higiene; restaurantes só funcionam para entregas; e hotéis só podem receber quem viaja por razões profissionais. Espanha, Reino Unido, Itália também adotaram medidas restritivas mais duras de restrições.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.