PATROCINADORES

São Paulo testa a vacina de Oxford contra a covid-19

A primeira leva de testes de uma vacina contra a covid-19 em São Paulo começou na última sexta-feira (19). O Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE), da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), coordena a seleção e o acompanhamento dos resultados da ChAdOx1 nCoV-19, que deve ser aplicada em cerca de 5 mil profissionais de saúde voluntários, entre 18 e 55 anos. Eles formam a categoria mais exposta ao vírus.

Desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, é a pesquisa em fase mais adiantada nos ensaios de larga escala com humanos – a última etapa antes de ser considerada efetiva ou não. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), há 13 vacinas em fase clínica de testes, entre as 141 candidatas registradas.

Na capital paulista, a seleção dos candidatos é feita no Hospital São Paulo, da Unifesp. De acordo com a universidade britânica, os profissionais de saúde que participarão são de São Paulo e do Rio de Janeiro. Uma das financiadoras do projeto é a Fundação Lemann.

O Brasil é o primeiro país da América do Sul a participar da iniciativa. Cerca de 50 mil pessoas deve ser avaliadas ao redor do mundo. Se tudo der certo, os resultados serão anunciados em setembro, com a entrega dos primeiros lotes da vacina a partir de outubro.

O laboratório Fleury fará os exames de tipo sorológico durante triagem de 2 mil dos participantes do experimento. Quem já foi infectado pelo novo coronavírus não poderá participar, pois há a possibilidade de desenvolvimento de alguma imunidade contra doença. Os voluntários serão divididos em dois grupos: um tomará a vacina e o outro será testado com a vacina-controle MenACWY, um meningocócico. O resultado virá da comparação entre ambos: o percentual de vacinados que não desenvolveu a doença e a proporção de indivíduos que receberam a vacina-controle que acabaram infectados pelo novo coronavírus.

A vacina em testes se vale dos princípios da substituição, que é a utilização de um composto desenvolvido para outro fim. A ChAdOx1 nCoV-19 é baseada em estudos contra ebola e mers (síndrome respiratória provocada por outro coronavírus).

Além da parceria de Oxford com a Unifesp, o Instituto Butantan, também em São Paulo, se prepara para testar uma vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − 3 =