PATROCINADORES

Russo mais rico é alvo de sanções da UE

Alexei Mordashov é acionista principal da maior siderúrgica do país

Ele é o oligarca russo que interveio para manter a empresa de viagens Tui à tona, injetando dinheiro quando o turismo internacional parou durante a pandemia. No entanto, Alexei Mordashov – que possui um terço da maior operadora de turismo da Europa e é seu maior acionista individual – pode estar se tornando uma espécie de problema para Tui, cujas ações estão listadas em Londres, depois que a UE o adicionou à sua lista de sanções na noite de segunda-feira (28)

Embora Mordashov não tenha sido sancionado no Reino Unido, seus interesses comerciais na região agora serão severamente restringidos. A UE delineou várias preocupações sobre Mordashov: afirma que o Banco Rossiya, no qual ele tem interesse financeiro, é o “banco pessoal” de altos funcionários russos que se beneficiaram da anexação da Crimeia. O bloco também disse acreditar que os negócios de mídia nos quais ele investiu ajudaram a desestabilizar a Ucrânia por meio de emissoras de televisão pró-Rússia.

Sobre o oligarca

O homem mais rico da Rússia, Mordashov, de 56 anos, veio de origens humildes como filho de operários na cidade de Cherepovets, 300 milhas ao norte de Moscou, para se tornar o executivo-chefe da maior siderúrgica e mineradora da Rússia, a Severstal.

Mordashov acabou de perder um lugar entre as 50 pessoas mais ricas do mundo em 2021, de acordo com a lista de bilionários da revista Forbes, com um ranking de 51. Na época, seu patrimônio pessoal era estimado em US$ 29,1 bilhões, e Mordashov continua sendo o acionista majoritário da Severstal, a maior siderúrgica da Rússia.

A Severstal divulgou anteriormente boletins detalhando como alguns de seus produtos de alta resistência são usados ​​na fabricação de equipamentos de defesa russos, incluindo veículos blindados. Mordashov preside sua empresa controladora, a Severgroup, uma empresa de investimento privado, e tem interesses que vão de telecomunicações a mineração de ouro, mídia e engenharia.

Juntamente com seus amplos interesses comerciais, Mordashov possui o tipo de acessórios que nenhum bilionário que se preze ficaria sem, incluindo um jato particular e pelo menos um iate.

Talvez apropriadamente para um acionista de uma empresa de viagens, ele está atualmente desfrutando de férias longe de conflitos ou do inverno europeu. O jato particular Bombardier Global 6000 do bilionário foi rastreado na semana passada por observadores de aviões como tendo viajado de Seychelles para Moscou, embora não inclua dados sobre quem estava a bordo. Na quinta-feira passada, o presidente Vladimir Putin convidou alguns dos empresários mais proeminentes da Rússia para uma reunião no Kremlin.

O jato de Mordashov – que possui uma cabine grande, capaz de transportar 14 passageiros e tem um alcance que permite viajar de Londres a Pequim sem escalas – não passou muito tempo na Rússia antes de voar de volta para Seychelles. Enquanto isso, um dos iates do bilionário, o Nord, de 142 metros, que compartilha seu nome com a mineradora de ouro de Mordashov, está hibernando no Oceano Índico. Construído pelo estaleiro alemão Lürssen e entregue em 2021, o navio custou cerca de US$ 500 milhões e possui design de interiores italiano, além de uma plataforma de pouso de helicóptero.

Resposta

Em um momento de fortes emoções, o chefe da Tui, Fritz Joussen, fez uma tentativa de tranquilizar a equipe da agência de viagens, insistindo que o envolvimento de Mordashov não representava um problema. “Mordashov é acionista da Tui há cerca de 15 anos e detém cerca de um terço de nossa empresa desde que a sustentou durante a crise da coroa”, escreveu Joussen em um memorando da equipe. “Nossa empresa é administrada pelo conselho executivo, como qualquer sociedade anônima alemã, e não pelos acionistas ou pelo conselho fiscal. Portanto, assumimos que quaisquer restrições ou sanções contra Mordashov não terão consequências negativas duradouras para nós como empresa”, completou.

Mordashov começou a investir na Tui em 2007 e é membro do conselho de supervisão da empresa desde 2016. Ele comprou ações repetidamente durante 2021, gastando regularmente milhões e elevando a participação atual de sua família para 34%.

Em comunicado, Mordashov disse que não entendia como sua inclusão na lista de sanções da UE ajudaria a resolver o conflito na Ucrânia, afirmando: “Não tenho absolutamente nada a ver com o surgimento da atual tensão geopolítica”. Descrevendo-se como sendo afastado da política, ele pediu o fim da guerra da Rússia na Ucrânia, que chamou de “tragédia de dois povos irmãos”.

Compartilhe

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pergunte para a

Mônica.

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.