Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Projeto põe em risco atuação de empresas de big data

Projeto põe em risco atuação de empresas de big data

O Senado aprovou na terça-feira (10) o projeto de Lei que disciplina a proteção dos dados pessoais e define as situações em que estes podem ser coletados e tratados tanto por empresas quanto pelo Poder Público. O texto precisa ser sancionado pelo presidente Michel Temer (MDB) para virar lei.

Um dos pontos da proposta é o de que as informações pessoais só poderão ser divulgadas com consentimento do titular. Na avaliação de Anderson Ribeiro, CEO da Diretrix, empresa especializada em ferramentas e serviços de processamento e gerenciamento dados, a condição pode colocar em risco a atuação de empresas que trabalham com big data. “O setor precisará fazer investimentos para se adaptar aos novos termos. A dificuldade de fazer a coleta de consentimento pode inviabilizar o trabalho das empresas”, disse. Ribeiro considera ainda que o governo brasileiro não tem estrutura financeira ou tecnológica para pedir a permissão do uso de dados para toda a população. “O texto precisa ser revisto para que funcione de forma coerente”, afirmou o CEO da Diretrix.

O advogado Marcelo Crespo, especialista em Direito Digital e sócio do Peck Advogados, minimizou o impacto para as empresas de big data. De acordo com o advogado, a dificuldade de conseguir as assinaturas da população não será o maior entrave. “Cada empresa precisará se virar para coletar as assinaturas dos usuários, mas isso não prejudica a atuação do setor. Grandes companhias como Google e Facebook já fazem isso virtualmente”, comentou. Para Marcelo Crespo, a medida é importante para o empoderamento dos usuários sobre o uso de dados pessoais e dá segurança às empresas em casos de comprometimento das informações. “É um movimento global, já em vigor em países desenvolvidos, que o Brasil não poderia ficar de fora”, defendeu o especialista.

As empresas terão 18 meses para adequação assim que o projeto for sancionado. O descumprimento poderá gerar multas de até R$ 50 milhões ou a suspensão das atividades.

Envie seu comentário