Document
PATROCINADORES

Processo ancorado em lorota chega ao final

Um dos processos mais surrealistas da Lava Jato chega ao final – aquele em que sete pessoas, incluindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foram acusadas de comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. A acusação teve início numa gravação na qual o ex-senador Delcídio do Amaral dizia saber de um esquema para patrocinar o silêncio e a fuga de Cerveró do país.

O processo chega oficialmente ao fim, através de sentença do juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Criminal do Distrito Federal. O próprio Delcídio, no início das investigações, havia dito que inventara a narrativa à família Cerveró, num encontro gravado pelo filho do ex-diretor da Petrobras, Bernardo. Diante disso e após as diligências, o procurador do caso, Ivan Claudio Marx, pediu a absolvição dos acusados. Além de Lula e Delcídio, o banqueiro André Esteves, Diogo Ferreira (então chefe de gabinete do ex-senador), Edson Siqueira Filho (ex-advogado de Cerveró), e os pecuaristas José Carlos Bumlai e seu filho, Maurício, foram considerados inocentes.

O episódio mostra o risco que a Justiça corre ao embarcar em lorotas, como a inventada pelo ex-senador. As recentes contradições entre delatores da Lava Jato mostram também que há gente se beneficiando de delações com base em mentiras.

A Lava Jato, que conseguiu inúmeras conquistas ao desbaratar um dos maiores esquemas de corrupção que se tem notícia no país, precisa agora separar o joio do trigo – e ir a fundo nas investigações para saber quem está mentindo e quem está falando a verdade. Para encarcerar, evidentemente, os mentirosos.

Por que é importante

O processo, baseado numa gravação de Delcídio, colocou um dos homens mais ricos do país, o banqueiro André Esteves, na cadeia e fez o BTG Pactual perder R$ 14,3 bilhões em valor de mercado em 23 dias

Quem ganha

O Estado de direito, já que o próprio Delcídio havia admitido ter inventado tudo o que fora dito à família de Nestor Cerveró, o que foi comprovado pelas investigações do Ministério Público

Quem perde

O ex-procurador geral da República, Rodrigo Janot, que foi um dos principais fiadores do processo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.