Document
PATROCINADORES

Politicamente, canetada de Fachin pode até mesmo favorecer Moro

Sem dourar a pílula, a decisão do ministro Edson Fachin, do STF, de anular as condenações do ex-presidente Lula é um duro golpe na já cambaleante força-tarefa da Operação Lava-Jato no Paraná. Fachin acatou os argumentos da defesa do petista e considerou a Justiça Federal do Paraná como incompetente para avaliar os casos do tríplex do Guarujá, do sítio de Atibaia e do Instituto Lula. Os processos judiciais retomam praticamente à estaca zero e agora passarão a correr na Justiça Federal do Distrito Federal.

Avaliando a questão por um outro viés, a decisão de Fachin pode extinguir o debate na Corte sobre a suspeição de Moro nos casos relacionados a Lula. O julgamento estava prestes a ser colocado em pauta na Segunda Turma pelo ministro Gilmar Mendes. Tudo indica – ou indicava – que Mendes, embasado com as mensagens apreendidas na Operação Spoofing, tem preparado um arsenal para atacar a conduta do ex-juiz. Ou seja, Fachin pode ter livrado Moro de um constrangimento público.

Lula volta a ser elegível, mas pode ser novamente condenado e cair na Lei da Ficha Suja até o primeiro semestre de 2022 – saindo da corrida presidencial. Sem um julgamento amplo se foi parcial ou não no tratamento ao petista, a atuação de Moro é jogada para a torcida: ele agiu corretamente ou não? Com a bandeira da defesa do legado da Lava-Jato, talvez seja mais um fator para ele ser convencido a entrar na briga pelo Palácio do Planalto.

Talvez isso explique a mensagem publicada no Twitter pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). “Minha maior dúvida é se a decisão monocrática foi para absolver Lula ou Moro. Lula pode até merecer. Moro, jamais!”

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.