Document
PATROCINADORES

PF e Receita fazem nova ação contra fraudes com criptomoedas

Policiais federais cumprem nesta quinta-feira (9) dois mandados de prisão preventiva e dois de busca e apreensão contra acusados de praticar fraudes por meio de operações com criptomoedas, no Rio de Janeiro. Esta é a segunda fase da Operação Kryptus, que conta com o apoio da Receita Federal e que investiga a prática ilegal de pirâmide financeira.

Procurados são suspeitos de ligação com Glaidson Acácio dos Santos, detido sob acusação de comandar o esquema

Os mandatos são contra João Marcus Pinheiro Dumas Viana e Michael de Souza Magno, suspeitos de ligações com Glaidson Acácio dos Santos, apontado como chefe da organização e detido em 25 de agosto. Ele teria movimentado R$ 38 bilhões com o esquema fraudulento e, quando localizado em um condomínio na Barra da Tijuca, foram encontrados na residência R$ 15 milhões em espécie e 21 carros de luxo.

De acordo com a Receita Federal, a empresa localizada na Região dos Lagos fluminense atua como se fosse um fundo de investimento, em que o investidor adquire uma quantia determinada de cotas e recebe rendimentos fixos. Como em um mercado volátil como o das criptomoedas (que incluem os bitcoins), não é sustentável prometer uma rentabilidade fixa aos investidores, a empresa recorreria a uma pirâmide financeira.

A pirâmide é um esquema ilegal em que o lucro é gerado pelo aporte de novos clientes e não pela natureza lucrativa das operações. E, para evitar o colapso do sistema, é preciso continuar expandindo a rede de clientes. O esquema gera enriquecimento dos mentores da pirâmide que, segundo a Receita, não declaram seus lucros ao fisco.

(com Agência Brasil)

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.