Document
PATROCINADORES

O que é o pix orçamentário da LDO, que facilitará a corrupção

A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), aprovada no Congresso Nacional nesta quinta-feira (15), ganhou um detalhe discreto, mas que abre porta para grandes desvios. Em meio às discussões sobre o fundo eleitoral, que quase triplicará para R$ 5,7 bilhões, o parlamento autorizou a transferência direta de recursos de emendas para estados e municípios sem passar pela fiscalização do Tribunal de Contas da União (TCU) em 2022. Chamado de transferência especial, o dispositivo só contempla iniciativas individuais de deputados e senadores. As emendas de bancada não estão autorizadas. A alteração é inconstitucional, afirmam parlamentares. A LDO ainda precisa da aprovação do Executivo.

Apelidado de pix orçamentário e de farra do boi, o dispositivo foi vetado pelo presidente Jair Bolsonaro na LDO de 2021. O Congresso derrubou o veto, mas o impasse foi parar no Supremo Tribunal Federal (STF), que ainda não julgou uma ação protocolada pelo partido Novo. Se aprovada do jeito que está, a fiscalização das emendas caberá aos procuradores e tribunais de contas locais. Para piorar, prefeitos e governadores não são obrigados a dizer ao governo federal onde aplicarão os recursos – num claro retrocesso à transparência e controle dos recursos públicos, arrecadados com o pagamento de impostos. Parlamentares argumentam que nesta modalidade, o dinheiro é repassado mais rapidamente, sem burocracias. A alteração na LDO serviria para abastecer redutos eleitorais no pleito de 2022, assim como abriria espaço para corrupção.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.