PATROCINADORES

Moro vê “problemas técnicos graves” na aplicação de juiz de garantias

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, voltou a criticar a implementação do chamado juiz de garantias. A medida, que não estava na proposta original apresentada por ele, foi aprovada no Congresso e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro dentro do pacote anticrime. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Moro disse que o dispositivo tem “problemas técnicos graves” e que espera que a situação seja resolvida pelo STF.

“Muitas questões ficaram indefinidas. Só vale para primeira instância ou também para as recursais e superiores? Vai ser aplicado às investigações e ações penais em andamento ou não?”, questionou.

“A falta de solução legislativa expressa dessas questões é indicativo de que faltou debate na Câmara sobre a medida, apesar de ter sido alertada. Tenho ainda presente que, nas comarcas com um único juiz, a medida é inviável”, afirmou.

Na avaliação do ministro, sobre a circunstância, não tem como um juiz a distância, por meio eletrônico ou por meio de rodízio, cuidar da investigação ou da ação penal.

“Então, por exemplo, se o juiz em uma comarca pequena homologar uma prisão em flagrante já não poderá fazer a ação penal decorrente daquele caso. Como poderá um juiz de outro local substituí-lo em toda essa ação penal? A medida, no mínimo, deveria ter sido excepcionada para comarcas com um único juiz”, comentou.

“Espero que o STF ou o CNJ possa corrigir esses problemas. O melhor, porém, seria a supressão desta parte da lei para que essas questões fossem devidamente debatidas no Congresso no âmbito do projeto do novo Código de Processo Penal”, completou.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.