PATROCINADORES

Leite sobe o tom contra Bolsonaro e aponta divulgação inflacionada de repasses

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), conhecido por sua moderação, subiu o tom na noite desta segunda-feira (1º) contra o presidente Jair Bolsonaro. Foi uma reação aos tweets do chefe do Executivo sobre os repasses aos estados em meio à crise dos leitos nas unidades de terapia intensiva (UTI). “Não adianta evocar Deus e colocá-lo acima de todos, porque Deus coloca a vida em primeiro lugar”, rebateu Leite em uma live. “Um líder na posição dele [Bolsonaro], que despreza os cuidados sanitários e sua gente, buscando algum proveito político ou se desfazer de algum prejuízo que possam causar as medidas que devem ser tomadas, infelizmente está matando”, continuou.

Durante a transmissão, Leite ressaltou que dentro do montante de recursos dos repasses federais, grande parte é composta por valores automáticos e reposições obrigatórias. Dessa forma, o Rio Grande do Sul não recebeu R$ 40,9 bilhões para o enfrentamento direto da pandemia, mas R$ 3,05 bi. Desse valor, R$ 2,1 bi foram para suprir perdas e utilização livre. Os recursos específicos à saúde totalizaram R$ 826 milhões com outros R$ 75 milhões para editais de repasse ao setor cultural. Além disso, o governador explicou seu estado gerou à União mais de R$ 70 bi em impostos.

O tom acalorado também é visto como um gesto aos tucanos descontentes com a possível candidatura do governador paulista João Doria (PSDB) ao pleito de 2022. Leite já criticou Doria: “Diferentemente do governador Doria, eu não fiz campanha casada com Bolsonaro, não manifestei apoio ao candidato. Em nenhum momento misturei o meu sobrenome ao dele”. O governador gaúcho tenta se apresentar como um possível contraponto para as prévias do partido. Ele tentaria se apresentar como um opositor geral ao bolsonarismo, ao petismo e ao dorianismo tucano.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 2 =

Pergunte para a

Mônica.