Document
PATROCINADORES

Conheça os pontos centrais do novo Código Eleitoral

A Câmara dos Deputados aprovou por 378 votos a 80 o texto-base do projeto de lei (PL) que institui o novo Código Eleitoral na noite de quinta-feira (9). Com 898 artigos e quase 400 páginas, a proposta reformula amplamente toda a legislação partidária e eleitoral, revogando normas vigentes, como o Código Eleitoral e a Lei da Inelegibilidade, e unificando tudo em um único código. Em 31 de agosto, o plenário da Câmara havia aprovado por 322 votos a 139 o regime de urgência para tramitação da matéria. Agora a Casa ainda precisa analisar destaques. Após, o texto será encaminhado ao Senado. A relatora da matéria é a deputada Margarete Coelho (PP-PI).

Confira os principais pontos da proposta

  • Divulgação de pesquisas: pelo projeto, as pesquisas realizadas em data anterior ao dia das eleições só poderão ser divulgadas na antevéspera do pleito. Hoje, institutos podem divulgar pesquisas de intenção de voto até o dia da eleição;
  • Institutos de pesquisa: os institutos de pesquisa terão que informar qual foi o percentual de acerto das pesquisas realizadas nas últimas cinco eleições. O texto permite ainda que Ministério Público, partidos e coligações peçam à Justiça Eleitoral acesso ao sistema interno de controle das pesquisas de opinião divulgadas para que confiram os dados publicados. Além disso, caso a Justiça autorize, o interessado poderá ter acesso ao modelo de questionário aplicado;
  • Fundo partidário: lista despesas que podem ser pagas com recursos do fundo, como propagandas políticas, transporte aéreo e compra de bens móveis e imóveis. A verba poderá ser usada em “outros gastos de interesse partidário, conforme deliberação do partido político” – uma brecha para arbitrariedades;
  • Receita Federal: prevê a apresentação dos documentos de prestação de contas dos partidos (arrecadação e despesas) seja feito pelo sistema da Receita Federal, não mais pela Justiça Eleitoral. Técnicos afirmam que a mudança atrapalha as tabulações e os cruzamentos de dados;
  • Multas: a proposta estabelece um teto de R$ 30 mil para multar partidos com contas desaprovadas. Ainda é previsto que a devolução de recursos públicos usados irregularmente deve ocorrer apenas em caso de gravidade;
  • Contratação de empresas: permite que partidos contratem, com recursos do fundo, empresas privadas para auditar a prestação de contas, terceirizando o trabalho da Justiça Eleitoral, que hoje faz o acompanhamento sem intermediários;
  • Informações falsas: cria uma punição para quem divulgar ou compartilhar informações descontextualizadas com o objetivo de influenciar o eleitor. A pena seria de um a 4 anos e multa, podendo ser aumentada se o crime for cometido por meio da internet ou se for transmitido em tempo real, com disparos de mensagem em massa ou se for praticada para atingir a integridade das eleições;
  • TSE: permite que o tribunal emita regulamentos para fazer cumprir o Código Eleitoral, mas abre espaço para que o Congresso suspenda a eficácia desses normativos caso considere que o TSE foi além dos seus limites e atribuições;
  • Prescrição de processos: diminui o prazo da Justiça Eleitoral para a análise da prestação de contas dos partidos de 5 para 3 anos, sob pena de extinção do processo. Novos documentos podem apresentados a qualquer momento durante o processo pelos partidos;
  • Caixa 2: institui o crime de caixa 2, que consiste “doar, receber ou utilizar nas campanhas eleitorais, próprias ou de terceiros, para fins de campanha eleitoral, recursos financeiros, em qualquer modalidade, fora das hipóteses e das exigências previstas em lei”. A Justiça poderá deixar de aplicar a pena se a omissão ou irregularidade na prestação de contas se referir a valores de origem lícita e não extrapolar limite legal definido para a doação e para os gastos;
  • Transporte de eleitores: descriminaliza o transporte irregular de eleitores. A infração passa a ser punida na esfera cível com aplicação de multa de R$ 5 mil a R$ 100 mil, sem prejuízo de ajuizamento de ação pela prática de abuso de poder;
  • Inelegibilidade: a matéria altera o período de inelegibilidade definido pela Lei da Ficha Limpa – o prazo continua sendo de oito anos, mas começará a contar a partir da condenação e não mais após o cumprimento da pena;
  • Renúncia: na votação dos destaques, os deputados incluíram um dispositivo que torna inelegível, por oito anos, o mandatário que renunciar durante processo de cassação;
  • Anistia a partidos : na última versão do relatório, a relatora propôs anistiar partidos que não cumpriram a cota de gênero e de raça em eleições antes da promulgação da lei. As siglas não seriam punidas com multas ou suspensão dos fundos partidário e eleitoral, nem com a necessidade de devolver os recursos;
  • Mulheres, negros e indígenas: para fins de distribuição do fundo partidário, votos dados a mulheres, negros e indígenas eleitos serão contados em dobro (mas só uma vez. Uma mulher indígena ou uma mulher negra não recebem votos acumulados).

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.