Document
PATROCINADORES

Carta aberta ao presidente da República

“Excelência,

Num programa de televisão em São Paulo, perguntaram a este velho repórter se podia vislumbrar no presidente um futuro ditador. Respondi que não. Ainda não. Argumenta-se, para a criação de uma atmosfera de terror em volta de seu nome e de sua pessoa, o absoluto desprezo que tem a certas normas de governo. […]

O desejo deste articulista não é o de advertir o presidente dos perigos que a mística do Poder lhe poderá trazer mais tarde se não conseguir controlar-se para monitorar os fios que lhe saem das mãos de condutor do povo. Nem o de lembrar que ele, se um dia saísse da trilha democrática, poderia calar a muitos jornais e jornalistas, mas não conseguiria silenciar todos os jornais e todos os jornalistas. Que não há mais lugar no Brasil para os regimes de força. Não é preciso apontar esses riscos a um presidente levado ao poder pela vontade de seus eleitores, mas deve governar, também, de acordo com os milhões que votaram contra ele. Isto é democracia. [..]

O presidente sabe, perfeitamente, que […] nem mesmo o general de maior prestígio no Exército teria a sorte numa aventura militar. Qualquer presidente que tentasse a deformação do regime e o seu fortalecimento através da união dos poderes após uma política de culto da personalidade e de vedetismo político, esse líder transformado em ditador, não o seria por muito tempo”.

Esse texto não é de minha autoria. Ele foi escrito pelo jornalista David Nasser, em março de 1961, e endereçado ao então presidente Jânio Quadros. Deste trecho, que compõe uma pequena fração do artigo original, pode-se tirar duas conclusões. A primeira, obviamente, é que a história tem o hábito de se repetir. E a outra? Bem, que a democracia pode ser mais frágil do que julgam os analistas mais experientes da cena política.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.