PATROCINADORES

Bravata bonitinha, mas ordinária – ou Osmar Terra

Uma das obras mais famosas do escritor Nelson Rodrigues é a peça “Bonitinha, mas ordinária – ou Otto Lara Resende”. O escritor de São João Del Rey aparece no título da obra porque uma frase cuja autoria é atribuída a ele (“O mineiro só é solidário no câncer”) é citada várias vezes durante a narrativa. Em tempos de coronavírus, contudo, um outro roteiro poderia ser escrito por Rodrigues, caso estivesse vivo: “Bravata bonitinha, mas ordinária – ou Osmar Terra”.

O deputado federal gaúcho, que defende ardorosamente o fim do isolamento social, saiu-se com a seguinte frase anteontem: “vai morrer menos gente de coronavírus em todo o Brasil do que no inverno gaúcho de gripe sazonal”. Ao longo do dia seguinte, o parlamentar refez a frase e afirmou que tinha se referido à gripe sazonal “no Rio Grande do Sul e no resto do país”.

Uma bravata que pode ser considerada bonitinha, mas ordinária – pois está totalmente desalinhada com a realidade, mesmo quando se observa estatísticas nacionais.

Segundo levantamento feito pela BBC a partir de dados do Ministério da Saúde, em 2019 morreram 1 122 pessoas em decorrência dos três tipos de gripe comum (H1N1, Influenza B e H3N2) no território brasileiro. No entanto, ontem, no dia 8 de abril, foram computados um total de 800 falecimentos em decorrência do coronavírus desde o primeiro contágio. Ou seja, neste ritmo, ultrapassaremos a marca estabelecida no ano passado pelos tipos ordinários de gripe até sábado.

O que faz um médico respeitado como Osmar Terra soltar uma fanfarrice como esta? Qualquer pessoa que tenha passado pelo ensino fundamental pode perceber que o ritmo de crescimento da pandemia faria a quantidade de vidas ceifadas pela epidemia bater recordes rapidamente.

O ex-ministro, porém, manteve sua posição de desprezar os efeitos nefastos do coronavírus e usar argumentos aleatórios para sustentar sua tese. Lembremos: é um homem de ciência, médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e por duas vezes foi titular de ministérios no Governo Federal.

O ministro tem todo o direito de ser contrário ao isolamento social. Várias pessoas também são e utilizam argumentos sólidos para defender esse conceito. Mas, ao atenuar exageradamente os resultados da pandemia, usando projeções que estão muito longe da realidade, Osmar Terra corre o risco de arruinar seu renome como especialista em saúde pública. É como o investidor Warren Buffet diz: “Pode-se levar 20 anos para construir uma reputação e apenas 5 minutos para destruí-la”.

Num momento de crise, é preciso unir esforços em torno da busca pela solução de nossos problemas. Usar argumentos toscos e dissociados da realidade só vai fazer a sociedade brasileira retroceder várias casas neste tabuleiro contra o coronavírus. O tempo está correndo contra nós. É hora de despolitizar a discussão sobre a pandemia e usar apenas a razão para defender nossos pontos de vista.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Uma resposta

  1. Esses comparativos só poderiam ser avaliados em um perigo maior.
    Teríamos que não ter a quarentena e depois de um ano comparar as mortes com:
    Tuberculose
    Gripe
    Acidentes
    Infartos etc
    Aí sim saberíamos se foi ou não desnecessário. Alguém se arrisca? Eu não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.