PATROCINADORES

Bolsonaro defende ida a protesto e diz que economia tem que funcionar

Em entrevista à CNN Brasil, o presidente Jair Bolsonaro rebateu as críticas de que teria estimulado a participação das pessoas nas manifestações do domingo (15) contrariando as orientações para combater a pandemia de coronavírus. O próprio Bolsonaro deixou o isolamento e se reuniu com apoiadores na frente no Palácio do Planalto. Mesmo com o avanço da doença, o presidente disse que há uma “histeria” e que paralisar o país pode trazer consequências graves para a economia. Ele citou uma decisão da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) de suspender temporariamente as competições nacionais.

“Quando você proíbe futebol e outras coisas, você parte para uma histeria. Proibir isso ou aquilo não vai conter a expansão. Devemos tomar providências, pode se tornar uma questão bastante grave, a do vírus. Mas a economia tem que funcionar porque não podemos ter uma onda de desemprego”, afirmou.

“O desemprego leva pessoas que já não se alimentam muito bem a se alimentar ainda pior. Assim, ficam mais sensíveis e, uma vez sendo infectadas, pode levar até a óbito”, acrescentou.

A decisão do presidente de endossar os atos desagradou Rodrigo Maia (presidente da Câmara) e Davi Alcolumbre (presidente do Senado). Ao ser questionado sobre o assunto, Bolsonaro desafiou os líderes do Congresso.

“Gostaria que eles saíssem às ruas como eu. Saiam às ruas e vejam como vocês são recebidos”, afirmou.

O presidente, no entanto, ponderou e indicou que pretende se encontrar com os dois para discutir uma “pauta de interesse da população”.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − dez =

Pergunte para a

Mônica.