Document
PATROCINADORES

Aras diz que não houve crime em ameaça de Bolsonaro a jornalista

Parecer do procurador-geral da República, Augusto Aras, encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF), sustenta que não houve crime de constrangimento ilegal na ameaça que o presidente Jair Bolsonaro fez a um jornalista. Em agosto, Bolsonaro afirmou que iria “encher a boca (do jornalista) de porrada” ao ser questionado sobre os depósitos de cheques de origem suspeita feitos por Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio, na conta da primeira-dama Michelle Bolsonaro. As quantias somam R$ 89 mil.

O parecer foi encaminhado ao STF em resposta a pedidos de informação da ministra Rosa Weber, relatora de ações abertas após parlamentares e advogados acionarem a Corte por causa do episódio. “Não é possível extrair dos fatos narrados ou da matéria acostada à petição inicial que o jornalista tenha sido obrigado, coagido, forçado a fazer algo específico que a lei não manda ou a não fazer algo em particular que ela permite”, escreveu Aras, sem entrar no mérito da resposta do presidente.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.