Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Após 20 dias, governo reconhece calamidade pública no Amapá

Após 20 dias, governo reconhece calamidade pública no Amapá

O Ministério do Desenvolvimento Regional reconheceu oficialmente o estado de calamidade pública no Amapá, onde o fornecimento de energia entrou em colapso. Em 3 de novembro, um incêndio no transformador de uma subestação deixou 14 das 16 cidades do estado sem luz. Foram mais de 80 horas de apagão, com prejuízos econômicos, insegurança, distúrbios e risco para pacientes internados. A população continua com o fornecimento limitado, em sistema de rodízio.

No sábado (21), o presidente Jair Bolsonaro esteve no Amapá, em uma visita de poucas, horas, acompanhado do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Eles foram acompanhar os trabalhos de restabelecimento da energia. Usinas termelétricas vão garantir o abastecimento de 20% do estado, daí a necessidade de rodízio. Pelas ruas de Macapá, a comitiva recebeu vaias e aplausos. “Geradores da usina termoelétrica serão ativados. Soluções técnicas urgentes e trabalho em conjunto são necessários para devolver a luz aos amapaenses”, postou Alcolumbre no Twitter.

Na portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU), o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, reconhece “por procedimento sumário, o estado de calamidade pública na área do território do estado do Amapá, afetada pelo desastre”.

O Amapá já estava em estado de emergência quando foram repassados R$ 21,5 milhões ao estado para o aluguel de geradores e a compra de combustível. De acordo com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, o fornecimento deve ser regularizado até quinta-feira (26).

Na prática, não há diferença entre estado de emergência ou calamidade. Mas o estado de calamidade dá mais segurança jurídica e permite ao governo federal antecipar pagamentos de aposentadorias e benefícios assistenciais, como o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e o Bolsa Família.

Envie seu comentário

2 × três =