PATROCINADORES

Crise energética atinge a indústria alemã

Com a agenda carbono zero atropelada pelo bloqueio do gás russo, setor volta ao carvão

O CEO da Volkswagen, Herbert Diess (imagem), alertou que a montadora emprega carvão em vez de gás natural nas usinas de energia que fornecem energia para suas fábricas na Alemanha. Diess também afirmou que o afastamento da empresa da energia russa como resultado da guerra na Ucrânia não está acontecendo com rapidez suficiente. Diess fez os comentários remotamente no Fórum Econômico do Qatar, em Doha. “Provavelmente não está indo rápido o suficiente”, explicou Diess sobre a transição. “A longo prazo, tenho certeza de que nos tornaremos independentes do gás russo.”

A crise de energia ocorre em meio ao avanço da UE com uma agenda verde de carbono zero, que busca acabar com todas as vendas de carros movidos a gás até 2035, entre outras metas. Pressionada por suas montadoras domésticas, a Alemanha rejeitou a proibição da UE, mas a escrita está na parede para as mudanças que chegam à Europa.

Diess afirmou que a Volkswagen continuará sua marcha em direção à eletrificação na tentativa de enfrentar a Tesla pelo domínio dos veículos elétricos.No ano passado, a Volkswagen lançou vários novos modelos de veículos elétricos, incluindo o ID.4 e o ID.Buzz, e está investindo em uma nova fábrica de veículos elétricos em sua enorme unidade de produção de Wolfsburg. Olhando para o futuro, Diess contou que a Volkswagen tem uma carteira de pedidos alinhada por “aproximadamente um ano” e está a caminho de cumprir suas metas de VE para 2022.

IPO da Porsche

A montadora também teve uma atualização positiva na Porsche e um potencial spin-off. Na cúpula do Futuro das Finanças em Frankfurt hoje, a Bloomberg informou que o CFO da Volkswagen, Arno Antlitz, disse que um IPO da Porsche estava a caminho do quarto trimestre deste ano.

Antlitz observou que o negócio de carros esportivos e SUVs da Porsche tem sido resiliente ao longo dos anos, mesmo quando fatores externos como a pandemia global e a escassez da cadeia de suprimentos atingiram o setor. Isso tornou a demanda por um pedaço de propriedade da Porsche um tanto desejável para os investidores. “Ainda há capital por aí e há muito ceticismo sobre investir capital em empresas de tecnologia, em novos empreendimentos”, disse Antlitz, mas que o negócio da Porsche “é muito sólido”.

Na segunda-feira (20), a Sky News informou que a Volkswagen havia escolhido o Deutsche Bank (DB) e o Morgan Stanley (MS), entre outros, para subscrever o próximo IPO que poderia valorizar a Porsche em até US$ 100 bilhões.

Compartilhe

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pergunte para a

Mônica.

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.