PATROCINADORES

Um mês após tragédia de Brumadinho, mais um petardo contra a Vale

Passado um mês da tragédia de Brumadinho (MG), as autoridades contabilizaram 179 mortos, 131 desaparecidos – e uma empresa com a reputação no lixo. Responsável pela barragem que rompeu, a Vale vê sua imagem indo para o ralo a cada dia que passa. Depois de diversas declarações inoportunas (leia aqui e aqui), a empresa sofre mais um golpe, dessa vez um artigo assinado por Patrícia Borelli, filha de Maria de Lurdes da Costa Bueno, uma das desaparecidas, publicado na edição desta segunda-feira (25) na Folha de S. Paulo.

Intitulado “Schvartsman, você está errado”, Patrícia rebate a afirmação do presidente da Vale, Fábio Schvartsman, que disse que a mineradora é uma “joia brasileira que não pode ser condenada”. O texto começa com a seguinte frase: “A minha mãe, Malu, é que era uma joia brasileira”. E prossegue dizendo que também são joias o estado de Minas Gerais, a cultura indígena, os voluntários, bombeiros, médicos e legistas que atuaram após a tragédia.

Mas o golpe mais contundente vem no antepenúltimo parágrafo: “Uma empresa não é joia só por trazer empregos e dinheiro. Uma empresa-joia lidera guiada pelo norte da ética, do respeito à vida e ao meio ambiente. E a Vale, hoje, não é essa empresa. VIDAS NÃO PODEM MAIS SER RISCO CALCULADO, DANOS COLATERAIS DE UMA ESTRATÉGIA FALIDA (grifo de Money Report)”.

E encerra o artigo pedindo ao presidente da Vale que se levante na próxima vez que houver um minuto de silêncio em homenagem às vítimas de Brumadinho.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.