Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Sem Reforma da Previdência, Brasil vai viver “suicídio em slow motion”

Sem Reforma da Previdência, Brasil vai viver “suicídio em slow motion”

Economista-chefe do BNDES, Fabio Giambiagi não vê futuro viável para o Brasil sem uma ampla reforma nas regras previdenciárias. Em evento nesta quinta-feira (22), em São Paulo, Giambiagi afirmou que, sem mudanças no INSS, o Brasil vai passar por um “suicídio em slow motion” nos próximos anos. O déficit previsto para 2018 é superior a R$ 200 bilhões, podendo alcançar R$ 220 bilhões no próximo ano. O crescimento dessas despesas está na raiz da crise fiscal do estado brasileiro, cujos gastos crescem ininterruptamente desde os anos 90.

Para o economista, os teóricos que defendem a reforma precisam “ir às ruas” para convencer a população acerca de sua necessidade. “Tem que arregaçar as mangas, ir aos programas da Luciana Gimenez, Ana Maria Braga, do Ratinho, para falar com o cidadão”, afirmou. “Precisamos exercer nossa capacidade de persuasão para mostrar que estamos defendendo coisas palatáveis e necessárias para o país todo.”

Outro economista que participou do evento foi Paulo Tafner, que ajudou Armínio Fraga na elaboração de uma proposta ousada para reformar a Previdência, que prevê economizar mais de R$ 1 trilhão em uma década. Para Tafner, o presidente de plantão precisa estar absolutamente convencido para a reforma sair. “Não pode ser uma ‘proposta do Tafner’, ela tem que ser encampada pelo presidente”, disse. Seria esse um recado para Jair Bolsonaro?

Envie seu comentário

dez − dez =