Pesquisar
PATROCINADORES
PATROCINADORES

Por que os austríacos não são neoliberais

Por estarem unidos na MPS, dá para confundir neoliberais com libertarianistas, assim como as posições de Chicago com as de Viena

Philip Mirowski, conhecido por seu livro More Heat than Light: Economics as Social Physics, Physics as Nature’s Economics,  no qual critica a economia neoclássica por adotar métodos das ciências naturais, publicou um livro sobre o neoliberalismo e a profissão de economista durante a crise financeira. Em Never Let a Serious Crisis Go to Waste: How Neoliberalism Survived the Financial Meltdown, sua principal tese é que a profissão de economista falhou completamente em prever e explicar a crise financeira. No entanto, os economistas tradicionais não sofreram nenhuma consequência negativa, mas continuam com seus negócios como de costume.

Na visão de Mirowski, a economia neoclássica, o neoliberalismo e a direita política saíram da crise mais fortes graças a um complicado esforço de propaganda e a uma intrincada máquina de lobby liderada pela Mont Pelerin Society (MPS). Segundo Mirowski, a Mont Pelerin Society funciona no coração de uma complexa rede de think tanks conservadores e de livre mercado e acadêmicos neoliberais que controlam a política.

A análise de Mirowski é interessante mesmo que venha de uma perspectiva de extrema esquerda e igualitária. Especialmente pertinente é sua análise e crítica da economia neoclássica.

O estado lamentável

A profissão neoclássica dominante foi incapaz de prever a Grande Recessão. Como os economistas neoclássicos acreditavam em uma nova era de estabilidade macroeconômica, apelidada de Grande Moderação, na qual os bancos centrais haviam basicamente abolido duras recessões, eles foram pegos de surpresa pelos imensos problemas que o sistema financeiro e a economia mundial começaram a experimentar em 2008.

Mirowski explica essa falha como resultado de um beco sem saída metodológico. A profissão neoclássica foi incapaz de prever a Grande Recessão com seus instrumentos metodológicos, como os famigerados modelos dinâmicos de equilíbrio estocástico (DSGE). Como no DSGE basicamente não há espaço para crises, os economistas neoclássicos não só foram incapazes de prever a crise financeira, como também são incapazes de explicá-la em retrospectiva.

Mirowski diagnostica uma dissonância cognitiva no campo neoclássico. Como as teorias neoclássicas são incapazes de explicar a crise financeira, há uma lacuna entre a teoria aceita e a realidade. Para preencher essa lacuna, os neoclássicos, segundo Mirowski, reagiram acomodando (ou distorcendo) as evidências empíricas para se encaixarem um pouco em suas teorias. Em vez de reconhecer que uma mudança paradigmática é necessária na economia mainstream, a profissão de economista teimosamente se apega aos seus modelos matemáticos.

Mirowski descreve com precisão a inércia da ortodoxia dominante. Os custos irrecuperáveis dos investimentos de capital intelectual para os economistas neoclássicos são enormes. A profissão permanece sem orientação e visão, tropeça e fica estagnada na mediocridade. A doutrinação propaga a ortodoxia. Os alunos são socializados com livros didáticos de economia usando um potpourri incoerente de teorias. Eles são feitos para ler artigos de curta duração publicados em revistas altamente classificadas usando a metodologia mainstream. Nesse contexto, Mirowski aponta para o fato de que as revistas em geral deixaram de publicar artigos sobre metodologia e história econômica em favor de artigos matemáticos e estatísticos. Mirowski relaciona corretamente a matematização com a incorporação dos cientistas naturais à economia e considera esse desenvolvimento como uma das razões para a crise financeira.

Problema metodológico

Mirowski critica a metodologia neoclássica argumentando que os economistas invejam as ciências físicas. Devido a essa inveja, os economistas começaram a imitar o método e os modelos da física. Foi a abordagem matemática usada na física que tornou os economistas neoclássicos incapazes de prever a crise. A crítica de Mirowski não foge dos economistas neoclássicos de esquerda. Consistente em sua abordagem, ele não apenas repreende Greenspan e Bernanke, mas também Stiglitz e Krugman. Embora possa haver diferenças ideológicas entre eles, todos eles empregam modelos DSGE nos quais um agente representativo maximiza as funções de utilidade.

De acordo com Mirowski, foi o modelo DSGE que permitiu a unificação da economia novamente depois que a microeconomia foi separada da macroeconomia devido à revolução keynesiana. Os modelos DSGE permitiram empregar a abordagem matemática da microeconomia na macroesfera, introduzindo agentes maximizadores de utilidade e alta agregação. Mirowski chega a dizer que, sem o DSGE, a economia neoclássica desaparece.

Enquanto Mirowski pede uma redefinição da economia e o fim do paradigma neoclássico, ele falha em fornecer uma alternativa, e ele não parece estar ciente da abordagem praxeológica da Escola Austríaca. A alternativa realista que Mirowski pede já existe. Ele também desconhece que, devido à sua abordagem realista, os economistas austríacos não ficaram nada surpresos com a crise financeira, que foi prevista por alguns deles. Infelizmente, a ignorância de Mirowski sobre a Escola Austríaca é imensa, como veremos em sua interpretação de Hayek e seu completo descaso com as obras de Ludwig von Mises e Murray Rothbard; para não falar de seu descaso com os austríacos contemporâneos.

A confusão de Mirowski

O principal problema de Mirowski é sua confusão quando se trata da Escola Austríaca e do libertarianismo. Mirowski considera a maioria dos economistas neoclássicos como neoliberais (com algumas exceções na esquerda, como Stiglitz ou Krugman). Implicitamente, ele também incorpora a Escola Austríaca no campo neoliberal. Escreve até sobre “neoliberais hayekianos”. No entanto, os austríacos não são neoclássicos e muitos não podem ser considerados neoliberais.

É verdade que, em algumas partes de seu livro, Mirowski distingue entre neoliberal versus libertário, e neoclássico versus austríaco, mas ele não aplica essa distinção de forma consistente. Essa falta de consistência produz resultados curiosos.

Por exemplo, ele argumenta que a hipótese do mercado eficiente de Chicago (EMH) formaliza a teoria do conhecimento de Hayek. Isso parece implicar que Hayek, ou outros austríacos, compartilham o método dos economistas neoclássicos, e pertencem a um mesmo campo neoliberal.

Nada poderia estar mais longe da verdade. A teoria do conhecimento subjetivo de Hayek trata o conhecimento como sendo tácito, privado, subjetivo e descentralizado. O tratamento dado por Hayek ao conhecimento subjetivo é fundamentalmente oposto a qualquer tratamento matemático ou formalizado da informação. Mais especificamente, a natureza criativa do conhecimento empresarial na tradição austríaca contrasta com o tipo de informação objetiva e dada da EMH.

A EMH afirma que os preços de mercado são eficientes, pois incorporam todas as informações relevantes e assumem um tipo objetivo de informação que pode ser comprada e vendida no mercado. No entanto, o importante não é a informação objetiva e dada, mas sim a interpretação subjetiva dessa informação e a criação de novos conhecimentos empresariais em um processo dinâmico. Os preços passados são apenas relações de troca históricas que servem aos participantes do mercado para criar novas informações. Mirowski distorce Hayek ao afirmar que, segundo Hayek, o mercado transmite o conhecimento do que precisamos saber. Em vez disso, Hayek apontou que os preços de mercado nos permitem usar o conhecimento subjetivo de outros participantes do mercado. O mercado não transmite automaticamente o conhecimento que precisamos saber, mas os participantes do mercado descobrem e criam o que precisam para atingir seus fins.

Há problemas adicionais com a mistura Mirowski do subjetivismo e da teoria do conhecimento de Hayek com EMH, CAPM e o modelo de Black-Scholes. Não há nada de subjetivista em um construto de equilíbrio como EMH, CAPM ou Black-Scholes. Em todos esses modelos matemáticos, todas as informações relevantes já são dadas. Eles são estáticos. Mirowski simplesmente perde o ponto principal de Hayek de que os empreendedores em um processo de mercado competitivo descobrem novas informações. Como o mercado é um processo, o mercado nunca é perfeito. Os participantes do mercado podem errar ou ser vítimas de ilusões; o livro inteiro de Mirowski é um excelente exemplo disso.

Outro resultado curioso do fracasso de Mirowski em distinguir claramente entre a Escola Austríaca e os neoliberais vem quando ele trata do construtivismo. Mirowski considera os neoliberais construtivistas. Ao mesmo tempo, Mirowski inclui Hayek no grupo dos neoliberais (e pode-se questionar se toda a Escola Austríaca) e tenta conciliar a crítica de Hayek ao construtivismo com o neoliberalismo. Mas como Hayek, que lutou vigorosamente contra o cientificismo e o construtivismo no século XX, pode ser construtivista?

Austríacos x Chicaguistas

A mistura implícita das escolas Austríaca e de Chicago é especialmente problemática. Mirowski afirma que os neoliberais subscrevem o conceito de ordem espontânea. No entanto, a ordem espontânea é um conceito empregado principalmente por Hayek e outros austríacos. Em contraste, os neoliberais da escola de Chicago utilizam o construto de equilíbrio como ferramenta analítica. No entanto, a análise do equilíbrio é fundamentalmente oposta à análise da Escola Austríaca do processo dinâmico do mercado. Em suma, os neoliberais da escola de Chicago não empregam o conceito de ordem espontânea de forma consistente.

Escritores como Mark Skousen (2006) tentaram fazer a ponte entre a escola de Chicago e a Escola Austríaca. No entanto, essa empreitada é impossível. A principal e fundamental diferença entre as duas correntes de pensamento é sua abordagem metodológica. Os austríacos na tradição misesiana derivam logicamente as leis econômicas a priori do axioma da ação humana com a ajuda de alguns pressupostos gerais. Em vez de fazer experimentos e olhar para o mundo exterior, eles olham para dentro usando a introspecção para encontrar a verdade.

Em contraste, os economistas da escola de Chicago que seguem Milton Friedman (1953) empregam uma metodologia positivista. Enquanto os austríacos sustentam que é preciso uma teoria primeiro para entender a história, os seguidores da escola de Chicago tentam derivar leis econômicas da história; às vezes aplicando análise econométrica. Enquanto os estudiosos da tradição da Escola Austríaca vêem a realidade como um processo dinâmico de interação humana, os estudiosos de Chicago empregam modelos de equilíbrio, nos quais o empreendedorismo e a criatividade estão ausentes por definição e o processo dinâmico do mercado é congelado. Enquanto os economistas austríacos consideram o objetivo de um economista entender e explicar as leis que regem o processo dinâmico do mercado, o objetivo de Friedman é fazer previsões corretas. Enquanto os economistas austríacos visam uma explicação realista do processo de mercado, para Friedman o realismo dos pressupostos é irrelevante. Só o poder preditivo de uma teoria conta.

Em seu livro, Mirowski critica a abordagem de Friedman afirmando que a construção de modelos para previsões foi um fracasso desastroso, uma avaliação que muitos austríacos compartilhariam. Infelizmente, Mirowski não menciona a metodologia austríaca em seu livro e parece desconhecer essa alternativa defendida por muitos membros da “neoliberal” Mont Pelerin Society.

Diretamente relacionada a essas diferenças metodológicas entre Viena e Chicago está a visão oposta sobre a concorrência. Enquanto os estudiosos de Chicago tendem a apoiar e elaborar leis antitruste a fim de aproximar a realidade de seu modelo de concorrência perfeita, os estudiosos austríacos se opõem à intervenção do governo no processo dinâmico do mercado na forma de leis antitruste.

A alta agregação exigida pela construção de modelos e matematização também levou a visões diretamente opostas sobre o capital por ambas as escolas. O capital, que é apresentado pela letra “K” nos modelos de Chicago, é visto como um fundo homogêneo e permanente que produz renda de forma síncrona e automática. A visão do capital como fundo homogêneo e da produção como instantânea é consequência direta da matematização e formalização da escola de Chicago.

A visão austríaca sobre o capital é fundamentalmente oposta à visão neoclássica. De fato, houve um intenso debate entre Chicago e Viena sobre o conceito de capital. Friedrich Hayek (1936) e Fritz Machlup (1935) criticaram Frank Knight pelo conceito sem sentido de capital como um fundo homogêneo e automaticamente auto-mantenedor. A teoria austríaca do capital e a visão da produção como um processo demorado permitiram aos economistas austríacos desenvolver uma teoria das distorções intertemporais na estrutura da produção induzida pela expansão do crédito sem lastro na poupança real. A teoria austríaca do ciclo econômico não é comumente compreendida pela escola de Chicago, pois os economistas neoclássicos carecem dos instrumentos teóricos necessários; instrumentos que não conseguem desenvolver com sua abordagem metodológica.

Booms e busts

Consequentemente, as interpretações da Grande Depressão (e da Grande Recessão) por austríacos e chicaguistas diferem amplamente. A escola de Chicago, seguindo Milton Friedman e Ana J. Schwartz, sustenta que a gravidade da Grande Depressão se deveu a erros cometidos pelo Federal Reserve. Mais precisamente, o Federal Reserve, de acordo com Friedman e Schwartz, não expandiu a base monetária rápido o suficiente durante o início da década de 1930. Seguindo a interpretação de Chicago, Ben Bernanke (2002) prometeu a Milton Friedman não cometer novamente o mesmo erro, o que explica a reação do Federal Reserve à Grande Recessão na forma de Quantitative Easing.

Em contraste, a teoria austríaca do ciclo econômico explica a Grande Depressão pela extraordinária expansão do crédito da década de 1920. A reinflação da oferta monetária, na visão austríaca, atrapalha o reajuste necessário, pois estabiliza os malinvestiments artificialmente antigos e estimula os adicionais. Os austríacos explicam a gravidade da Grande Depressão pelo tamanho da expansão do crédito na década de 1920 e os concomitantes malinvestiments, bem como as intervenções governamentais introduzidas na década de 1930, como o Smoot-Hawley Tariff Act ou o New Deal em geral.

Os economistas austríacos não ficaram cegos pela aparente estabilidade de preços no início dos anos 1920. Na verdade, Mises e Hayek alertaram contra as políticas de estabilização geral do nível de preços saudadas por Fisher e outros monetaristas. Em tempos de crescimento econômico, tais políticas exigem a injeção contínua de dinheiro novo, que é a fonte de distorções intertemporais. Devido à sua teoria do ciclo econômico, os austríacos não foram pegos de surpresa pela crise financeira, em contraste com os economistas de Chicago. O mesmo vale para os anos que antecederam a Grande Recessão. Assim, Mirowski está claramente errado com sua afirmação abrangente de que (toda) a profissão de economista não previu a crise financeira. É verdade que os economistas neoclássicos, devido à sua abordagem metodológica, não conseguiram desenvolver as ferramentas teóricas necessárias para compreender os problemas da expansão do crédito em curso no início dos anos 2000. Em contraste, os economistas austríacos tinham essas ferramentas.

Sem surpresa, outra área principal de desacordo entre Chicago e Viena, que Mirowski não explica, é sobre a política monetária. A maioria dos austríacos é a favor da abolição dos bancos centrais e da introdução de uma moeda de mercado livre, como um padrão-ouro de 100%. Os economistas da escola de Chicago geralmente não querem confiar a oferta monetária ao mercado, mas são a favor de um banco central emitir moeda fiduciária. O planejamento central do dinheiro não é visto como um problema, mas como uma solução para a crise no setor bancário pelos defensores da escola de Chicago.

Mirowski não toca em todas essas diferenças fundamentais. Ele está correto, quando aponta corretamente o banco central como uma instituição neoliberal. No entanto, ele também afirma que o Tea Party nos EUA é basicamente um grupo neoliberal. Mais tarde no livro, ele afirma que Ron Paul quer abolir o Federal Reserve. Mirowski também menciona que Ron Paul está na tradição de Hayek, que é a favor do free banking. No entanto, Ron Paul é considerado próximo do Tea Party. O leitor continua confuso. Por que um herói (Ron Paul) de um grupo neoliberal (Tea Party) quer abolir uma instituição neoliberal (Federal Reserve)?

Estamos perante outra aparente contradição causada por não distinguir claramente entre austríacos e chicaguistas ou neoliberais e libertários. Se Mirowski tivesse explicado que Ron Paul é um seguidor da Escola Austríaca, não teria sido surpresa para o leitor que ele se opusesse ao Federal Reserve. Mas Mirowski apenas afirma que Bernanke está do lado da posição neoliberal de Milton Friedman. Ele simplesmente não entende que chicaguistas e austríacos são diametralmente opostos em questões fundamentais e que é uma falácia considerá-los ideologicamente e metodologicamente próximos.

As origens do rolo

De onde vem a confusão de Mirowski? Por que ele não diferencia claramente a escola de Chicago da Austríaca?

Há basicamente três razões que podem ter contribuído para essa confusão. Primeiro, a Escola Austríaca e a escola de Chicago compartilham muitas ideias de livre mercado. Os membros de ambas as escolas geralmente se opõem ao controle de preços, à regulamentação de produtos e à prestação pública de serviços educacionais. No entanto, como apontamos acima, as diferenças são muitas. A escola de Chicago apoia os bancos centrais e o antitruste, enquanto a Escola Austríaca não. Se Mirowski tivesse analisado as posições libertárias que muitos austríacos defendem, ele teria reconhecido que a maioria dos austríacos está muito distante das posições neoliberais de Chicago.

Em segundo lugar, Hayek tornou-se professor da Universidade de Chicago em 1950. No entanto, a localização de Hayek em Chicago não implica que ele estava perto das ideias da escola de Chicago. Na verdade, Hayek tornou-se professor do Comitê de Pensamento Social em Chicago, porque os economistas de Chicago se opuseram à sua nomeação no departamento de economia. Isso é compreensível, pois Hayek era muito crítico da abordagem positivista que os economistas de Chicago seguiam.

Em terceiro lugar, a causa mais provável de confusão decorre do tratamento dado por Mirowski à Mont Pelerin Society, onde austríacos e chicaguistas frequentemente se reúnem. Desde o início, a partir da reunião de fundação da Mont Pelerin Society em 1947, havia três principais escolas de pensamento que estavam representadas: a Escola Austríaca, o Ordoliberalismo e a escola de Chicago. Mises e Hayek da Escola Austríaca, Walter Eucken e Wilhelm Röpke eram ordoliberais, e George Stigler, Frank Knight e Milton Friedman da escola de Chicago.

Tanto a escola de Chicago quanto a escola ordoliberal podem ser classificadas como neoliberais. Eles se opõem ao socialismo, mas também ao manchesterismo, ou seja, se opõem à abordagem laissez-faire do liberalismo clássico. Tanto os ordoliberais, localizados principalmente em países de língua alemã, quanto a escola de Chicago favorecem um Estado forte para definir a estrutura do mercado e direcionar a vida econômica em certas direções. Eles também querem que o Estado forneça alguma seguridade social.

Houve tensão desde quase o início entre austríacos e neoliberais dentro da Mont Pelerin Society. Como escreveu Mises na década de 1950: “Tenho cada vez mais dúvidas se é possível cooperar com o ordo-intervencionismo na Mont Pelerin Society”.

Em retrospectiva e do ponto de vista da Escola Austríaca, pode ser considerado de fato um erro estratégico fundar uma aliança com a escola de Chicago e outros neoliberais dentro da Mont Pelerin Society. Como austríacos e neoliberais estão unidos na Mont Pelerin Society, autores como Mirowski tendem a confundir neoliberalismo com libertarianismo e posições de Chicago com austríacas. Em vez de tratar os neoliberais como amigos de uma causa comum, os austríacos poderiam ter se saído melhor considerando os neoliberais como inimigos de seus inimigos; ou seja, do socialismo pleno. Os austríacos poderiam ter tornado suas diferenças ideológicas e metodológicas muito mais claras em uma Mont Pelerin Society dominada por eles mesmos e excluindo os chicaguistas e outros neoliberais. A maioria dos ataques de Mirowski contra a profissão de economista em si ou contra o liberalismo teria perdido credibilidade. Então Mirowski teria que dirigir suas críticas apenas contra a escola de Chicago e os neoliberais.
_______________________________________________________

Por Philipp Bagus

Publicado originalmente em: https://encurtador.com.br/eyPS3

Compartilhe

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.

[monica]
Pesquisar

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.