Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

1 comentário

“Nova política” de Bolsonaro pode custar a reforma da Previdência

“Nova política” de Bolsonaro pode custar a reforma da Previdência

Eleito com o discurso de que iria governar fazendo uma “nova política”, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) tem se negado a negociar com o Congresso a aprovação das reformas importantes para o país, como a da Previdência, e se recusa a ir atrás de apoio dos parlamentares. Após um embate com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Bolsonaro mostrou mais uma vez que pretende manter distância do Parlamento. “Não vou jogar dominó com o Lula e o Temer no xadrez”, disse Bolsonaro, fazendo referência à articulação política com o Congresso.

Das 14 propostas encaminhadas ao Congresso pelo Executivo, nenhuma avançou. Na terça-feira (26), a Câmara dos Deputados aprovou uma PEC que diminui o poder do governo sobre o Orçamento. Segundo o cientista político da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Marco Antônio Teixeira, as “derrotas” de Bolsonaro mostram que, caso o presidente da República continue com suas críticas à “velha política”, seu governo não será bem sucedido.  “Fazer boa política significa negociar com os parlamentares. Sem isso, as pautas não serão aprovadas”.

Segundo Rafael Cortez, cientista político da Tendências, Bolsonaro erra ao sugerir que qualquer negociação com o Congresso se dá sob a sombra da corrupção. “Se o presidente continuar desgastando a classe política não conseguirá aprovar as reformas, incluindo a da Previdência”, afirma Cortez.

Por apoio, Bolsonaro escolheu as bancadas temáticas no Parlamento, em detrimento das legendas, para formar sua base parlamentar. Ele tem escolhido falar diretamente com congressistas ligados ao agronegócio, segurança e igrejas. Segundo Teixeira, da FGV, isso não será suficiente. “Quem garante que a bancada ruralista apoiará o projeto da Previdência? Quem garante que a bancada evangélica apoiará o projeto anticrime do (ministro da Justiça) Sérgio Moro?”.

Comentários

Envie seu comentário