Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Mudança de hábitos fortaleceu economias locais, diz estudo

Mudança de hábitos fortaleceu economias locais, diz estudo

Um estudo da EY-Parthenon com 1.003 brasileiros, realizado entre junho e julho para apurar os impactos da pandemia entre os consumidores, mostra que a convivência com os efeitos e as mudanças impostas pela doença desde março estão fazendo com que uma parcela significativa das pessoas adote hábitos de consumo mais consciente, seja para fortalecer a economia do local em que vivem ou para poupar recursos. De acordo com a pesquisa, 33% dos entrevistados disseram ter trocado de marcas consumidas para apoiar a economia ou empresas locais e 32% decidiram mudar para reduzir custos. Além disso, 32% optaram por fazer compras on-line de produtos alimentares com mais frequência, o que não era tão comum antes da pandemia.

Apesar de um quadro de forte impacto sobre a renda do brasileiro, com 62% tendo relatado perdas de rendimento durante o período da pandemia, o estudo revelou um otimismo nas perspectivas para daqui a um ano. Para 72% dos participantes, suas finanças pessoais estarão melhores em 12 meses; 20% acreditam em estabilidade; e apenas 8% projetam uma situação pior. Quando o item avaliado é o emprego, 66% apostam em melhora em 12 meses; 26% acham que tudo ficará como está; e 9%, que a situação deve piorar. Já em relação à condição econômica do país, 46% são otimistas; 39% creem em estabilidade; e 15% apostam em um cenário pior do que o atual.

De acordo com a sondagem, questionados sobre quais as suas principais preocupações diante da pandemia, 97% responderam: a “economia do país”. Em segundo lugar na lista está a “saúde da minha família”, com 96% de citações, empatado com “impacto social e comunitário”. O receio com a própria saúde aparece em quarto lugar da lista, com 94% de referências, seguido por “minhas finanças” (92%). O tema “meus relacionamentos” surge na décima posiçã, com 75% de citações.

A convivência com as novas exigências sanitárias provocadas pela pandemia e o visível avanço da opção pelo trabalho remoto também têm mudado comportamentos e hábitos dos consumidores. Entre os entrevistados, 71% afirmaram estar mais conscientes sobre higiene pessoal e limpeza; 69% passaram a cozinhar mais refeições; 62% visitavam menos as lojas físicas; 60% decidiram gastar menos com itens não essenciais, como produtos de moda, ou cosméticos; e 59% disseram cuidar melhor de suas casas. Vale destacar que 71% dos entrevistados afirmaram estar ainda preocupados com a possibilidade de contrair o vírus.

Conforme as atividades sociais vêm sendo flexibilizadas e retomadas, fazer compras em um mercado é considerado o hábito mais aceitável aos brasileiros, com 70% das pessoas se dizendo confortáveis ou indiferentes em realizar esse tipo de tarefa. A seguir, vêm os itens “ir para o seu local de trabalho” (57%) e “andar em público” (56%). Uma das atividades mais rejeitas, mas que acaba sendo costumeira para muitos brasileiros, é “viajar em um transporte público”, para a qual 83% dos entrevistados se disseram desconfortáveis em realizar, 9%, indiferentes e apenas 8%, confortáveis.

Envie seu comentário

cinco × cinco =