PATROCINADORES

Busca pela cura faz editoras científicas abrirem estudos gratuitamente

O mercado editorial científico é um negócio gigantesco, restrito, internacional e desconhecido dos leigos. Para um pesquisador publicar em uma revista renomada, pode gastar até US$ 5 mil. Não há garantia alguma de veiculação, pois o material precisa ser apreciado por outros profissionais. Mas pelo menos o trabalho é avaliado pelas mentes certas e de forma independente, o que garante isenção e critério. Agora, com a pandemia de coronavírus, essas plataformas começam a abrir seu material gratuitamente, a fim de garantir o acesso ao maior número possível de pesquisadores ao redor do mundo. Até estudos ainda não revisados (os preprints) estão ficando disponíveis.

Na epidemia de Sars, entre 2002 e 2003, ocorreu um movimento parecido. Um levantamento da DW, a estatal alemã de jornalismo e comunicação, informa que um acordo entre 117 editoras científicas, assinado em 31 em janeiro, permitiu o acesso aos artigos já publicados e aos que estão em avaliação (preprints). Com isso, pesquisadores podem avaliar trabalhos que antes demorariam até um ano para serem divulgados. O pacto foi organizado pela Fundação Welcome Trust. A reportagem da DW relata que só plataforma MedArchive registrou 680 artigos sobre o coronavírus desde 19 de janeiro, com estudos de casos e análises sobre os padrões de disseminação do surto, agora transformado em pandemia. Signatária da Welcome Trust, a prestigiada editora britânica The Lancet liberou 148 estudos sobre coronavírus até o último sábado (21).

Ainda assim, é estimado que mais de a metade dos artigos publicados desde 1960 não estejam disponíveis.

“Apelamos à comunidade científica – publishers, financiadores e sociedades – para que se mantenham fiéis à sua palavra. A declaração do Wellcome Trust é inequívoca: o compartilhamento rápido da pesquisa é necessário para informar o público e salvar vidas. Enquanto aplaudimos o trabalho que está sendo realizado em meio a esta crise, esperamos que este momento sirva como catalisador de mudanças”, expôs um artigo assinado pelos cientistas Vincent Larivière (Canadá), Fei Shu (China) e Cassidy Sugimoto (Estados Unidos).

O efeito colateral da iniciativa é a disseminação de informações mal-entendidas por leigos. Foi o que fez com que muitas pessoas fossem em busca dos medicamentos cloroquina e hidroxicloroquina. Utilizados contra malária, lúpus e artrite reumatoide, ambos são uma esperança de cura ou alívio dos sintomas do covid-19. Porém, ainda faltam estudos conclusivos. Esses medicamentos só podem ser receitados com acompanhamento médico, pois seus efeitos colaterais são severos, portanto estão longe de serem uma cura imediata.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.