Document
PATROCINADORES

Brasil pode ganhar R$ 1,1 bilhão por ano com base em Alcântara

Acompanhados pelo presidente Jair Bolsonaro, os ministros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, assinaram na última segunda-feira (18) um acordo com representantes do governo americano que autoriza os EUA a lançarem satélites e foguetes a partir da base de Alcântara, no Maranhão. Em contrapartida, o Brasil assinou um tratado de salvaguardas tecnológicas, que protege a tecnologia usada pelos Estados Unidos em território nacional, mas terá poder para monitorar os lançamentos, a fim de garantir que os americanos não cometam irregularidades em relação à carga que será enviada ao espaço.

Para o engenheiro e empreendedor espacial Lucas Fonseca, que acompanhou a assinatura do acordo na Câmara Americana de Comércio como representante da indústria na delegação brasileira, a exploração comercial da base pode render US$ 300 milhões (R$ 1,1 bilhão) anuais ao Brasil em um primeiro momento.

“O mercado de lançamentos deve fechar 2018 com um faturamento de US$ 5,5 bilhões. Dentro desse montante, creio que cerca de US$ 3,5 bilhões vêm dos satélites de telecomunicações, mais pesados e caros para colocar na órbita terrestre. O lançamento a partir de Alcântara valeria a pena para este tipo de satélite, pois o fato de a base estar localizada perto da linha do Equador dá um impulso inicial forte e aumenta a velocidade inicial do módulo, gerando uma economia de 20% a 23% em relação à Flórida, por exemplo”, explica. “Apesar disso, Alcântara não vai suprir todo mundo. Ela vai pegar um pequeno percentual de lançadores que já existem e investiram em infraestrutura em outras bases. Acredito que vai sobrar em torno de US$ 300 milhões para o Brasil em faturamento bruto.”

Segundo Fonseca, Boeing e Lockheed são as empresas americanas com maior potencial de demonstrar interesse pela base, mas a assinatura do acordo por si só não garante que os investimentos virão imediatamente. “Para isso acontecer, é necessário que haja um interesse político genuíno. Este mercado depende muito das vontades governamentais”, afirma. “Isso também precisa ser aprovado pelo Congresso Nacional, e não temos nenhuma certeza de que vai acontecer (o parlamento brasileiro já rejeitou acordo semelhante em 2000)”.

Na opinião do empresário, os ganhos que o Brasil obtém através do acordo são sobretudo geopolíticos, não comerciais. “Esses recursos não vão fazer muita diferença para a balança comercial, mas ter uma base de lançamento coloca o país em um grupo de discussões do qual ainda não fazemos parte”, diz. “É um mercado que está em crescimento.”

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.