PATROCINADORES

Brasil contrata lobistas para discutir sobretaxa do aço em Washington

Após o presidente americano, Donald Trump, anunciar a sobretaxa de 25% do aço e 10% do alumínio importados, autoridades e empresas nacionais começaram a buscar ajuda. Siderúrgicas brasileiras contrataram um escritório de lobby em Washington para convencer congressistas e autoridades a isentar o Brasil dos impostos, usando, como argumento, o fato de os dois países serem parceiros. O governo Temer citou até a compra da Embraer (brasileira) pela Boeing (americana) na campanha contra as taxas. O presidente do Instituto do Aço, Marco Polo de Mello Lopes, afirmou ao jornal Folha de S. Paulo que os EUA tiveram superávit com o Brasil no comércio siderúrgico, e que 80% do aço nacional são insumos para siderúrgicas americanas. Marcos Jorge, ministro da Indústria e do Comércio brasileiro, já apresentou proposta de defesa ao secretário americano Wilbur Ross.

Por que é importante

As sobretaxas impostas pelo governo americano afetam diretamente o Brasil, uma vez que os EUA representam cerca de 30% das importações do aço. O país tem 15 dias para apresentar uma defesa contra as taxas

Quem ganha

Se o lobby der certo, produtores de aço brasileiros

Quem perde

A indústria e os consumidores dos EUA. Em nota, o Instituto do aço afirmou que sem o aço brasileiro, as empresas americanas "não têm autossuficiência no seu abastecimento".

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 − cinco =

Pergunte para a

Mônica.