Document
PATROCINADORES

Barão de Mauá, o precursor do liberalismo econômico no Brasil

Caixeiro aos nove anos, dono do próprio negócio aos vinte, primeiro grande industrial do país e homem que salvou o Banco do Brasil. Irineu Evangelista de Sousa, o Barão de Mauá (1813 – 1889), foi por um longo período o mais influente empresário e empreendedor brasileiro – a despeito da oposição que sofria da elite cafeeira e do imperador D. Pedro II.

Ao longo da vida, Mauá sofreu com interesses de grandes plantadores de café e de políticos reacionários que atuavam para manter o Brasil como um produtor de commodities baseado no trabalho escravo. Seu sonho era modernizar o país como Andrew Carnegie e John Rockefeller, seus contemporâneos e inspiradores, fizeram nos Estados Unidos.

Mauá atuou em várias frentes. Como industriário, criou a tecnologia da luz a gás para o país, construiu a primeira estrada de ferro, ligando o Porto de Mauá a Fragoso, no Rio de Janeiro, e fundou um estaleiro. Como banqueiro, saneou o Banco do Brasil, quebrado por D. João VI, quando ele foi embora do país com a Família Real, em 1821.

Em todos os empreendimentos, teve que ceder às pressões feitas por D. Pedro II, que defendia os interesses próprios, como no financiamento à Guerra do Paraguai – Mauá chegou a emprestar recursos a fundo perdido para sustentar os esforços de guerra.

Liberal convicto, Mauá faliu com tanta interferência estatal. “O melhor programa econômico de governo é não atrapalhar aqueles que produzem, poupam, investem, empregam, trabalham e consomem”, disse, numa frase que pode ser entendida como uma síntese do liberalismo econômico.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.