Document
PATROCINADORES

21,9% das importações brasileiras de 2020 eram de origem chinesa

Desde 2019, a China continua avançando sobre o comércio externo brasileiro. Em 2020, o levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgado no sábado de noite (5), apontou que o país foi responsável por 21,9% importações brasileiras, com avanços em produtos de tecnologia.

Em 2006, o país detinha 8,6% das importações brasileiras. Tradicionalmente o principal fornecedor de produtos para o Brasil, a participação da União Europeia (UE) em 2006 foi de 20,3% para 19,1% em 2020. No mesmo período, os Estados Unidos mantiveram uma participação estável nas importações, com leve alta de 15,7% para 17,6%, terceira posição. O principal perdedor na origem foi a América do Sul. Do segundo lugar em 2006, responsável por 17,6% das compras externas, caiu ao quarto lugar, com 11,4% em 2020.

Indústria

Além de aumentar as exportações ao Brasil, a China passou a vender produtos mais sofisticados, distanciando-se da imagem de exportador de bens de baixa complexidade. Ao analisar 15 setores da indústria, o levantamento constatou que as importações chinesas cresceram em 11, mantiveram-se em 3 e caíram apenas em 1 setor.

Entre os setores com maior avanço da China de 2006 a 2020, estão máquinas e equipamentos (de 10% para 23%); produtos químicos (de 10% para 29%) e materiais elétricos (de 24% para 50%). Até segmentos de pouca tradição conquistaram fatias significativas de mercado: veículos e automóveis (de 2% para 11%) e química fina (de 1% para 14%).

No mesmo período, a indústria brasileira comprou menos de outros lugares. Dos 15 setores pesquisados, 11 passaram a importar menos da UE e do Japão e 13 passaram a comprar menos da América do Sul e dos EUA.

Expectativas

Para o gerente de Políticas de Integração Nacional da CNI, Fabrizio Sardelli Panzini, o crescimento do comércio com a China tem criado uma dependência prejudicial aos setores mais desenvolvidos da economia brasileira. Com 75% das exportações ao país asiático concentradas em soja, minério de ferro e petróleo e importando bens cada vez mais complexos.

“Há vários anos esperamos a diversificação do comércio com a China, mas ela não vem. O máximo de espaço para ampliar o comércio com o país está na agroindústria, com mais exportações de carne”, explicou.

O gerente da CNI defende a rápida aprovação e implementação do acordo comercial entre o Mercosul e a UE para que a indústria brasileira recupere espaço nas exportações. Diferentemente da China, o Brasil tem um comércio mais equilibrado com os países europeus, exportando tanto produtos básicos como industrializados.

(Com Agência Brasil)

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.