Pesquisar
PATROCINADORES
PATROCINADORES

Influenza de Lulu; xilitol suspeito; sífilis em alta; cáries em baixa

Boletim de MR sobre medicina, inovação, saúde mental, negócios e políticas públicas

Consumo de xilitol aumentaria risco de ataque cardíaco

Substituto da sacarose, o açúcar tradicional, o xilitol é usado por diabéticos e por quem deseja emagrecer. Só que o produto está sob suspeita. Uma pesquisa da Cleveland Clinic, nos Estados Unidos, mostrou que o consumo exagerado pode aumentar do risco de eventos cardiovasculares, como ataques cardíacos e derrames. Os resultados foram publicados na quinta-feira (06), no periódico European Heart Journal. Mais de 3 mil usuários nos EUA e Europa foram submetidos a exames. Os dados abrem caminhos para novos estudos.

Ultraprocessados pioram insônia crônica

Cerca de um terço dos adultos com insônia crônica sofrem do problema devido ao consumo elevado de alimentos ultraprocessados (AUP). É o que sugere um estudo publicado no Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics, em 30 de maio. Os resultados apresentados independem de características demográficas, estilo de vida, qualidade da dieta e estado de saúde mental. “Em um momento em que cada vez mais alimentos são altamente processados e distúrbios do sono se tornaram generalizados, é importante avaliar se a dieta pode contribuir para um sono de qualidade adverso ou bom”, diz em comunicado a líder da pesquisa, Marie-Pierre St-Onge, do Centro de Pesquisa do Sono da Universidade Columbia, nos Estados Unidos.

“Devia ter vacinado”

O cantor Lulu Santos, de 71 anos, recebeu alta médica na segunda-feira (10), após ser internado às pressas com gastroenterite aguda e influenza A. Ele admitiu ter negligenciado sua vacinação contra a gripe em 2024. Em um vídeo para o programa “Mais Você”, o artista sem maquiagem e iluminação apresento a real condição de alguém que deixou de lado os cuidados. “Este ano, a vacinação para a gripe no Brasil está abaixo de 50%. Logo nós, que somos um país com uma tradição de eficiência, de eficácia e de vacinação, quase uma escola disso. Por algum motivo, isso se desvaneceu”, lamentou. “Eu mesmo acabei ficando vítima disso. Quando pensei: ‘Acho que eu devia ter vacinado’, três dias depois contraí essa doença. Já dura sete dias e os últimos três eu passei internado”, revelou, com a voz rouca e fôlego comprometido. Lulu foi internado na sexta-feira (7) e recebeu alta na segunda (10).


Jardinagem saudável

A jardinagem pode ter benefícios terapêuticos e também promover a alimentação saudável. Mas as vantagens não param por aí, como mostra um estudo da Universidade de Helsinki, na Finlândia. A tese do doutorando Mika Saarenpää aponta para os efeitos positivos da exposição a micróbios capazes de fortalecer o sistema imunológico. “Um mês de jardinagem urbana indoor impulsionou a diversidade de bactérias na pele das pessoas analisadas e aumentou o nível de citocinas antiinflamatórias no sangue. O grupo de estudo utilizou um meio de cultura com alta diversidade de micróbios, que emula o solo encontrado em florestas”, afirmou Saarenpää, em um comunicado da universidade.

Só 40% das escolas falam em saúde menstrual

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançaram um relatório global sobre água potável, saneamento e higiene nas escolas do mundo – com foco especial em saúde menstrual. A pesquisa traz alguns dados alarmantes, que mostram a falta de atenção ao assunto. De acordo com o relatório, apenas 39% das escolas abordam o tema da saúde menstrual.

O que MR publicou


Sífilis nas Américas preocupa OMS

Um recente relatório da OMS alerta para o crescimento dos casos de sífilis no continente americano. A alta foi de 30% entre 2020 e 2022. Em 2022, foram registrados 8 milhões de casos ao redor do mundo. As Américas se destacaram com 3,37 milhões de infectados, o que representou 42% de todos os novos casos naquele ano, atingindo 0,34% da população da região.

Brasil tem 45% de cobertura em saúde bucal

O Brasil registra atualmente cerca de 45% de cobertura em saúde bucal. A meta do governo federal é alcançar pelo menos 70% de cobertura em saúde bucal. O atual índice é de 45%, considerado insuficiente. Os dados fazem parte da pesquisa Saúde Bucal Brasil 2020/2023, divulgada pela pasta da Saúde nesta quinta-feira (13). Mais de 40 mil pessoas foram ouvidas e examinadas em 27 capitais e outros 403 municípios – incluindo 7.198 crianças. Entre o público de 5 anos, 53% não possuíam cáries. O resultado é 14% maior que o da última pesquisa, em 2010, quando 46,6% das crianças estavam livres da doença. A meta é chegar a 70% de cobertura, com a contração de 6 mil equipes de saúde bucal e 100 Centros de Especialidades Odontológicas, além da aquisição de 300 Unidades Odontológicas Móveis.


Vape intoxica mais que cigarro

O consumo de cigarro eletrônico, o vape, provoca níveis de intoxicação mais altos que o cigarro convencional. A informação consta na pesquisa da Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde de São Paulo, em parceria com o Instituto do Coração (Incor) e o Laboratório de Toxicologia da Universidade de São Paulo (USP). O estudo analisou a saúde de 200 fumantes de cigarros eletrônicos, detectando que os níveis de nicotina nesses usuários é de três a seis vezes maiores que em tabagistas analógicos.

Compartilhe

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.

[monica]
Pesquisar

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.