Document
PATROCINADORES

Vetos às emendas limita verbas a redutos eleitorais

O presidente Jair Bolsonaro promoveu alterações benéficas nas chamadas emendas do relator (do tipo RP9), aquelas que destinam uma fatia do orçamento aos parlamentares. Questionada por órgãos de fiscalização e controle do governo, como os tribunais de contas e ministérios públicos, a medida original foi chamada de orçamento paralelo, pois se converteria facilmente em uma irrigação de verbas para políticos aliados, podendo ser usada para aquisição de máquinas e contratação de obras em redutos eleitorais sem maiores critérios ou diretrizes. Nesta segunda-feira (23), foram publicados os vetos à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Os parlamentares se organizam para tentar derrubar alguns desses vetos presidenciais.

Como pode ficar:

  • Foi vetado o trecho que dava aos congressistas maiores poderes de escolhescolha ao emprego dos recursos;
  • Fim da obrigatoriedade do governo liberar o empenho dos valores em 180 dias (se mantido, os ministérios teriam que esperar os parlamentares para saber onde aplicar os recursos das emendas);
  • O Executivo volta a ter mais poder sobre o Orçamento;
  • O Tribunal de Contas da União (TCU) terá mais transparência sobre o RP9.
  • Simplificando: o governo decidiu permitir que o Congresso tenha mais poder para decidir quais áreas do Orçamento serão contempladas. Mas deixará os ministérios livres para avaliar em quais projetos e regiões do país deve investir.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.