PATROCINADORES

Uma vez filiado, Barbosa teria candidatura praticamente certa no PSB, dizem fontes do partido

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) – Caso decida se filiar ao PSB, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa teria sua candidatura ao Palácio do Planalto praticamente viabilizada, garantem fontes do partido.

A ideia da candidatura de Barbosa, até pouco tempo defendida por poucos socialistas, ganhou força dentro da sigla e tem como trunfo a grande viabilidade eleitoral do ministro atestada em pesquisas qualitativas, garante uma das fontes.

“Na hora em que ele se filiar está praticamente viabilizado, ele não tem que ‘pegar fila'”, disse a fonte, referindo-se à lista de possíveis nomes a serem lançados como candidatos do PSB.

“Quando ele se filiar e bater os 15 por cento (em pesquisas eleitorais), quem vai fazer ele pegar fila?”

Essa fonte, assim como outra do PT, confirmam pesquisas e análises segundo as quais Barbosa poderia angariar boa parte do eleitorado petista.

Um exemplo da empolgação de socialistas é a disposição do vice-presidente de Relações Governamentais do partido , Beto Albuquerque (RS), de abrir mão de seu próprio nome como candidato do partido.

“Sempre estive à disposição, no Congresso do partido distribuí documento defendendo a candidatura própria e colocando o meu nome como candidato”, disse Beto à Reuters.

“Obviamente que se ele se filiar não vou disputar com ele. Ele tem meu apoio. Retiro minha postulação em 2018 para apoiar Joaquim Barbosa”, afirmou.

O ex-deputado, que concorreu como candidato a vice-presidente na chapa de Marina Silva nas últimas eleições, deve se dedicar à disputa pelo Senado caso Barbosa se confirme candidato do PSB.

Apesar de ter ganhado fôlego, a candidatura de Barbosa ainda não está definida e depende, antes de mais nada, de sua filiação ao partido. E isso tem que ocorrer até 7 de abril, prazo máximo para quem deseja disputar as eleições de outubro estar filiado a um partido.

O convite já foi feito, ainda em 2017, e resta saber se Barbosa embarcará na sigla. Uma vez filiado, a candidatura se construiria de maneira natural, avalia uma das fontes.

Outra fonte explica que filiado, Barbosa poderia se inteirar e conviver com os correligionários e trabalhar até julho, quando ocorre a convenção partidária para a oficialização da candidatura.

RESISTÊNCIA

Ainda que tenha crescido entre os socialistas, a candidatura de Barbosa enfrenta resistências no partido, principalmente por parte de candidatos a governos estaduais, que temem reviravoltas nas alianças locais que já vêm sendo negociadas.

Pesa também, para os que se opõe à ideia, a questão financeira: uma candidatura presidencial abarcaria boa parcela dos recursos destinados à campanha.

Resolução aprovada no último congresso do PSB autorizou a direção nacional a negociar em três frentes diferentes. A mais defendida, no momento, é a da candidatura própria, tendo Barbosa como o nome mais forte.

O segundo caminho, que pode ser adotado pela direção a depender do desenrolar do cenário eleitoral, diz respeito a coligações e alianças em nível nacional, desde que com partidos que tenham identificação com o PSB.

E a terceira via seria nem investir em candidatura própria nem em coligações nacionais, mas priorizar a eleição de deputados federais –a meta é chegar a mais de 40 deputados– e de governadores em até 10 Estados.

Nesse contexto, a eleição do vice-governador de São Paulo Márcio França é tida como “prioridade zero”, tanto pela importância do Estado, quanto pelo impacto de uma eleição dessas na estratégia nacional do partido.

(Reportagem adicional de Lisandra Paraguassu)

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × um =

Pergunte para a

Mônica.