Document
PATROCINADORES

Portugal alerta Venezuela que prisão de gerentes de supermercado pode afetar laços

LISBOA (Reuters) – O governo de Portugal alertou a Venezuela que os laços bilaterais podem estar em risco devido à prisão de gerentes de uma rede de supermercados de origem portuguesa acusados de elevarem em excesso os preços dos alimentos, e exigiu que o problema seja resolvido rapidamente.

O ministro de Relações Exteriores português, Augusto Santos Silva, disse que teve “uma conversa dura” sobre o tema com seu equivalente venezuelano, Jorge Arreaza, em Nova York, nos bastidores da Assembleia Geral da ONU.

A crise diplomática crescente pode azedar as relações entre o governo socialista de Portugal e o governo de esquerda da Venezuela, onde moram cerca de 400 mil cidadãos portugueses e pessoas de origem portuguesa.

“Disse ao meu colega que existe uma linha vermelha para nós, e que se não houver progresso na superação deste problema vai haver consequências para o relacionamento bilateral”, disse o chanceler português em comentários televisionados.

O chanceler português classificou a operação repressiva do governo da Venezuela aos negócios como “uma iniciativa administrativa dirigida contra interesses portugueses na Venezuela”. Na sexta-feira, a chancelaria convocou o embaixador venezuelano em Lisboa para dizer que Portugal está “muito preocupado” com as prisões.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse na semana passada que 34 gerentes de supermercados foram presos após serem acusados de esconder alimentos e vendê-los a preços excessivos. A mídia local noticiou que muitos dos gerentes trabalhavam na Central Madeirense, cadeia fundada cerca de 70 anos atrás por imigrantes portugueses.

A Venezuela está sofrendo com uma hiperinflação e uma escassez de bens básicos.

(Por Andrei Khalip)

tagreuters.com2018binary_LYNXNPEE8O13A-VIEWIMAGE

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.