PATROCINADORES

Novo chefe de combate à lavagem de dinheiro do México promete reexaminar caso Odebrecht

Por Stefanie Eschenbacher

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) – O novo chefe de inteligência financeira do México disse ser “vergonhoso” o quão pouco se fez a respeito das propinas que executivos da empreiteira brasileira Odebrecht disseram ter pago para obter contratos de obras públicas no país, e prometeu reexaminar o caso quanto tomar posse.

Santiago Nieto comandará a Unidade de Inteligência Financeira do Ministério das Finanças, que analisa registros financeiros suspeitos, assim que o novo governo de esquerda tomar posse em 1º de dezembro. Ele disse em uma entrevista concedida na semana passada que a unidade foi utilizada com fins políticos, sem dar detalhes.

“É vergonhoso que o México e a Venezuela sejam os únicos países da América Latina que não puniram ninguém”, disse ele sobre o caso Odebrecht, que está no cerne da operação Lava Jato e atingiu autoridades de diversos países da América Latina nos últimos anos.

“No caso da Odebrecht, e em qualquer outro caso, a primeira coisa que teríamos que fazer é revisar o que existe na Unidade de Inteligência Financeira relacionado ao caso”, disse Nieto, que ainda não tem acesso aos arquivos e registros mantidos pela unidade.

Executivos da Odebrecht admitiram ter pago propinas no México e em diversos países no âmbito de acordo de delação premiada fechado com autoridades brasileiras e internacionais por ocasião da operação Lava Lato. Procuradores mexicanos disseram estar investigando negócios do conglomerado brasileiro com a estatal petroleira Pemex.

A Pemex não quis comentar questões relacionadas à Odebrecht, citando a investigação em andamento. A Procuradoria-Geral do México, o Ministério das Finanças e a Unidade de Inteligência Financeira tampouco quiseram comentar para esta reportagem. A Odebrecht confirmou o recebimento de um pedido de comentário por email, mas não respondeu mais nada.

A revolta com escândalos de corrupção generalizados, incluindo os supostos subornos da Odebrecht, um acordo imobiliário lucrativo envolvendo a família do presidente Enrique Peña Nieto e centenas de milhões de dólares desviados dos cofres públicos por meio de contratos falsos ajudaram o político de esquerda Andrés Manuel López Obrador a conquistar uma vitória folgada na eleição presidencial de julho.

Em sua campanha, López Obrador prometeu reprimir os crimes financeiros e endurecer as regulamentações bancárias, tributárias e de combate à lavagem de dinheiro. Ele deu poucos detalhes de como pretende fazê-lo, mas prometeu dar um exemplo de probidade na Presidência.

No mês passado duas futuras autoridades de governo disseram à Reuters que a Odebrecht pode ser impedida de participar de projetos de obras públicas da próxima gestão. A Odebrecht respondeu que as irregularidades cometidas na empresa não deveriam ser usadas para sancioná-la no México.

tagreuters.com2018binary_LYNXNPEE8I1IF-VIEWIMAGE

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × cinco =

Pergunte para a

Mônica.