PATROCINADORES

ENTREVISTA-Capitalização da Eletrobras aguarda definições do governo sobre modelo, diz CEO

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) – O governo está convicto da necessidade de capitalizar a Eletrobras, mas o tema ainda não foi discutido com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, e não há definição sobre formato e valor da operação, que poderia levar à perda do controle da empresa pela União, disse à Reuters o presidente da estatal.

A gestão Michel Temer tentou levar adiante uma desestatização da companhia por meio de processo que envolveria a emissão de novas ações para diluir a fatia do governo na empresa, mas um projeto de lei com a proposta não avançou no Congresso Nacional em 2018 e as discussões foram retomadas apenas após a posse de Bolsonaro.

Mantido no cargo mesmo após a mudança de governo, o CEO da elétrica, Wilson Ferreira Jr., disse que começou agora a tratar do tema junto ao ministro de Minas e Energia, o almirante Bento Albuquerque.

Logo ao assumir o cargo, Albuquerque afirmou em discurso que pretende seguir adiante com a capitalização da Eletrobras, mas não entrou em detalhes.

“Estive com o almirante e a gente tem debatido sobre isso. A decisão sobre como fazer não tomamos ainda. O sinal verde (que foi dado) é reconhecermos a necessidade de capitalização para que a empresa tenha maior capacidade de investimento”, afirmou Ferreira, em entrevista por telefone, nesta terça-feira.

Questionado especificamente sobre a intenção de desestatização da elétrica, seguindo a ideia do governo anterior, ele disse que a decisão ainda não está tomada.

“Como vamos fazer isso? Reconhecemos que temos um projeto que foi ‘hibernado’ no Congresso e vamos avaliar as alternativas para tomar uma decisão… (em relação à) forma, como, quanto, (poderia ser arrecadado com a transação), não temos ainda uma definição”, acrescentou.

Segundo Ferreira, a decisão deverá ser tomada no curto prazo e envolverá também outras áreas do governo, como o Ministério da Economia.

O executivo também afirmou que haveria tempo para avançar com a operação ainda em 2019 caso essa seja a opção do governo.

“O governo tem colocado e acho que é importante reconhecer o senso de urgência das coisas, das reformas… eu prefiro até não especular, mas dependendo do modelo que se escolher, sem dúvida nenhuma você pode tentar fazer em 2019, é razoável.”

O presidente da Eletrobras afirmou que, em paralelo, a companhia pretende realizar no primeiro semestre um leilão para vender participações em usinas eólicas e linhas de transmissão.

O certame envolveria ativos que não atraíram compradores em uma licitação semelhante realizada pela estatal em setembro de 2018.

“Vamos insistir em um segunda rodada agora… é o que sobrou ali, nenhum ativo adicional. Queremos fechar tudo no primeiro semestre. Faremos um esforço para que tenhamos a condição de fazer alguma coisa já no início do segundo trimestre, lá para abril”, disse.

(Por Luciano Costa)

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × quatro =

Pergunte para a

Mônica.